quarta-feira, 29 de junho de 2011

O POVO CRENTE: UM POVO RELEVANTE

O POVO CRENTE: UM POVO RELEVANTE




tnPessoas_003001. Oséias, quando lemos seu livro percebemos, foi um profeta usado por Deus para anunciar juízo ao povo.

02. É certo que ao fim ele anuncia o perdão mediante arrependimento, mas as mensagens de juízo são predominantes em seu ministério, e consequentemente, no livro que escreveu.

03. Mas o que aconteceu com povo para que Deus, através do profeta Oséias, lhes enviasse todas aquelas mensagens de juízo?

04. Tenho uma anotação de seis acontecimentos que alguém apontou como sendo causas claramente perceptíveis quando lemos o livro de Oséias. Infelizmente não anotei e não me recordo mais de quem fez tal apontamento (se alguém souber me informe para dar os devidos créditos); mas vamos lá:

a. Faltou verdade“OUVI a palavra do Senhor, vós, filhos de Israel, porque o Senhor tem uma contenda com os habitantes da terra, porque não há verdade...” (Oséias 4:1 DO)

i. Verdade (‘emeth) = fidelidade, credibilidade, estabilidade, constância.

ii. Eles não eram verdadeiros porque a verdade (de Deus) não dominava os seus corações.

iii. A palavra traduzida por verdade em Oséias é uma forma contrastada de uma outra palavra que tem o sentido de alguém em quem a gente pode confiar, pode se apoiar, porque é fiel. Faltou a eles essa qualidade.

b. Faltou benignidade – “OUVI a palavra do Senhor, vós, filhos de Israel, porque o Senhor tem uma contenda com os habitantes da terra, porque não há verdade, nem benignidade...” (Oséias 4:1 DO)

i. Benignidade é a qualidade que leva à realização de feitos bondosos – é o amor em ação. Faltou a eles essa qualidade.

c. Faltou conhecimento de Deus“OUVI a palavra do Senhor, vós, filhos de Israel, porque o Senhor tem uma contenda com os habitantes da terra, porque não há verdade, nem benignidade, nem conhecimento de Deus na terra.” (Oséias 4:1 DO)

i. Eles, mesmo sendo o povo de Deus, não conheciam a Deus.

d. Havia ajuntamento muito maior quando outras coisas estavam envolvidas do que “simplesmente” em torno do Senhor“E não clamaram a mim com seu coração, mas davam uivos nas suas camas; para o trigo e para o vinho se ajuntam, mas contra mim se rebelam.” (Oséias 7:14 DO)

e. Faltou dar valor à Palavra de Deus“Escrevi para eles as grandezas da minha lei; mas isso é para ele como cousa estranha.” (Oséias 8:12 DO)

f. Havia uma recusa por servir verdadeiramente a Deus“Porque o meu povo é inclinado a desviar-se de mim; bem que clamam ao Altíssimo, nenhum deles o exalta.” (Oséias 11:7 DO)

05. A consequência imediata de tudo isso foi que eles ficaram entre as nações como algo sem valor: “Israel foi devorado: agora está entre as nações como um vaso em que ninguém tem prazer.” (Oséias 8:8 DO).

06. Eles se tornaram irrelevantes.

07. Amados, em tempos em que pregamos a necessidade de sermos relevantes em nossa sociedade, perguntemo-nos:

a. Qual a relevância de nossa igreja para o local onde ela está inserida?

b. Que diferença faria se ela fechasse hoje?

i. Nenhuma?

ii. Pequena?

iii. Grande?

08. E se chegarmos à conclusão de que somos pouco relevantes, perguntemo-nos também:

a. Qual(is) a(s) razão(ões)?

b. Seriam as mesmas do tempo de Oséias?

09. É tempo de sermos relevantes! Para isso:

a. é preciso que nos tornemos crentes mais verdadeiros do que já somos;

b. é preciso que sejamos crentes mais benignos do que já somos;

c. é preciso que sejamos crentes que estejam empenhados em uma busca constante por conhecer a Deus mais do que já conhecemos;

d. é preciso que sejamos crentes que se preocupam, mais do que já nos preocupamos, em nos ajuntarmos por causa e em torno do Senhor mais do que por causa em torno de qualquer outra coisa;

e. é preciso que sejamos crentes que deem valor a Palavra de Deus, mais, muito mais do que já estamos dando;

f. e é preciso que sejamos crentes que estejam verdadeiramente dispostos a servir ao Senhor.

10. Assim, faremos grandes coisas para o Senhor, seremos bênção para a sociedade em que vivemos e seremos naturalmente relevantes.

11. Pensemos nisso!

Pr. Walmir Vigo Gonçalves

prwalmir@hotmail.com

digitalizar0050


terça-feira, 28 de junho de 2011

TRÊS FATOS

TRÊS FATOS EM ROMANOS 6.23-26


Pessoa_33101. O Apóstolo Paulo, escrevendo aos Romanos, no capítulo 3, versos 23 a 26, assim se expressa:

Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus, ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus; para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus. (Romanos 3:23-26 RC)

02. Neste pequeno trecho da Santa Palavra de Deus, que é justo, mas também é amor, encontramos três fatos que, atentando nós para eles, podem mudar o rumo de nossas vidas, aqui e na eternidade.

03. O primeiro fato, expresso no texto de forma simples e direta, é que TODOS OS HOMENS SÃO PECADORES.

04. O Rei Davi, no salmo 51, quando se apresentava inteiramente quebrantado diante do Senhor por causa do horrível pecado cometido contra Urias, com angústia de alma exclamava apelando para as misericórdias do Senhor:

Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das tuas misericórdias. Lava-me completamente da minha iniqüidade e purifica-me do meu pecado. Porque eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim. Contra ti, contra ti somente pequei, e fiz o que a teus olhos é mal, para que sejas justificado quando falares e puro quando julgares.

05. Em outras palavras ele estava dizendo: Senhor, a minha iniqüidade é tão grande que, para dela eu ser purificado, é necessário que o Senhor aplique sobre mim misericórdia em multidão. O Senhor está certo em me julgar e me condenar, e o que eu posso fazer é apenas clamar pelas Tuas misericórdias.

06. A seguir Davi expressa a verdade de que ele, assim como toda a raça humana, já nascera pecador. Ele diz: “Eis que em iniqüidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe”.

07. O Espírito Santo de Deus, no trecho que lemos em Romanos, através de Paulo está a nos dizer que essa é a situação de todo ser humano.

08. João, escrevendo sua primeira epístola, logo no primeiro capítulo, no versículo 8, diz-nos que “se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos e não há verdade em nós”

09. Em o evangelho que escreveu João registra, no capítulo 8, o dia em que os escribas e fariseus, no intuito de tentar a Jesus para que tivessem de que o acusar (ou de quebrar a lei de Moisés ou de ser conivente com o apedrejamento de uma mulher), trouxeram uma mulher pega em flagrante adultério, a quem, por causa de seu ato, segundo a lei de Moisés, deveria ser apedrejada. Que dizes tu, mestre? Foi o que eles insistiram em perguntar. E qual não foi a surpresa daqueles homens quando ouviram da boca de Jesus: “Aquele que dentre vós está sem pecado seja o primeiro que atire a pedra contra ela”. Eles ficaram tão surpresos e, certamente vermelhos de vergonha, que saíram um a um, começando pelos mais velhos, sem nada falar, ficando ali apenas Jesus e a mulher. Não havia ninguém entre eles que fosse sem pecado; e também não havia ninguém a que eles pudessem chamar, por ser sem pecado, para atirar a primeira pedra. O único sem pecado era o próprio Jesus, e este não iria atirar pedra naquela mulher. Se fosse possível viajar no tempo e eles tivessem os meios para isso fazer, poderiam retroceder geração por geração até chegar em Adão e não encontrariam ninguém sem pecado. Também poderiam fazer a mesma viagem para frente, para o futuro, geração por geração, até ao momento derradeiro da história da humanidade, que não encontrariam ninguém sem pecado. E a razão disso é que TODOS PECARAM; todos somos pecadores, afirma categoricamente a Palavra de Deus.

10. Atente bem para esse fato, meu amigo, VOCÊ É PECADOR.

a. Você que tem atirado a primeira pedra lembre-se: VOCÊ é pecador;

b. Você que tem apontado o dedo com desdém para os outros lembre-se: VOCÊ é pecador;

c. Você que não tem poupado palavras para difamar maldosamente o seu irmão lembre-se: VOCÊ é pecador;

d. E mesmo você que tem se utilizado das palavras para profeticamente, de forma correta, condenar o pecado pelos outros praticado, ainda que não ao pecador, não se esqueça de que VOCÊ também é um pecador.

e. Você pode e até deve, como Jesus, não aprovar e até denunciar, pregar contra o pecado; você pode, como Jesus, dizer a alguém de quem você tratou acerca de seu pecado: “vá e não peques mais”; mas, diferentemente de Jesus, você não pode se esquecer de que você mesmo é um pecador carente da misericórdia e do perdão do Senhor.

11. O segundo fato encontrado no texto, também colocado de forma simples e direta, diz respeito à conseqüência do pecado. Revela-nos o Espírito Santo através do apóstolo Paulo que todos pecaram e “DESTITUÍDOS ESTÃO DA GLÓRIA DE DEUS”.

12. Se o primeiro fato é reconhecido quase que por todo o mundo, este segundo é ignorado por muitos. Mas é um fato absoluto, incontestável. É a palavra de Deus quem o diz. Mas o que significa isso?

a. Significa que o homem está separado de Deus, e pior, separado de uma maneira tal que não há nada nele mesmo que possa propiciar um “reajuntamento”.

13. Newell ilustra:

“Quão triste e horrenda é a condição do homem! Suponhamos que eu me dirigisse a uma audiência da cidade de Nova Iorque e dissesse: “Vamos descer para o bairro de bateria (à beira mar), e saltar dali até Londres”. Alguns jovens vigorosos saltariam uma distância de mais de três metros, mas isto ainda estaria muito aquém de Londres. Alguns talvez não saltassem nem um metro. Mas isto não importa, pois o fato é que todos teriam ficado muito aquém da costa inglesa. E o pior é que aqueles que saltarem mais longe se encontrarão em águas mais profundas! Paulo, o principal dos pecadores, saltou a distância mais longa na corrida da justiça própria, somente para exclamar: “Desventurado homem que sou!”, tendo que descobrir que era mister depositar a sua confiança exclusivamente em Cristo.”

14. Você consegue imaginar essa situação triste? O homem está destituído da glória de Deus e não encontra forças em si mesmo para “pular” para o lado de Deus.

15. Para que fique bem marcado em sua mente a terribilidade dessa situação de separação quero contar para você a história real do final da vida de Sir Frances Newport, que, mesmo instruído na Palavra de Deus, acabou por tornar-se ateu. Newport, nos dias derradeiros de sua vida, acometido por uma doença venérea, atormentado pela expectativa do que lhe estava por vir, exclamou assim:

De onde vem esta guerra ao meu coração? Ah! Se eu pudesse me deitar no fogo que não se apaga durante mil anos para comprar o divino favor! Mas não adianta desejá-lo; milhões e milhões de anos não me colocarão mais perto dos fins dos meus tormentos do que uma só hora! Oh, eternidade! Eternidade!... Ah, as insuportáveis agonias do inferno...[1]

16. Não se esqueça nunca disso: todo homem é pecador e destituído, privado está da glória de Deus. Esta é uma situação terrível! A mais terrível de todas!

a. Você pode ser privado de suas posses materiais, e isso é terrível!

b. Você pode ser privado de viver na presença de amigos queridos dos quais antes pensava que nunca iria se separar, e isso é terrível!

c. Você pode ser privado de sua saúde física, e isso é terrível!

d. Mas nada há que seja mais terrível do que ser privado de estar na presença de Deus na eternidade!

17. O que fazer? Você pode perguntar! O que fazer, pregador, se, conforme você disse, não há nada em mim mesmo que possa me propiciar um “reajuntamento” a Deus?

18. E aqui chegamos ao terceiro fato encontrado no texto sagrado, que é o fato de que O HOMEM NÃO PRECISA CONTINUAR DESTITUÍDO DA GLÓRIA DE DEUS, POIS DEUS MESMO PROVIDENCIOU A SOLUÇÃO E ESTA É O SEU FILHO JESUS.

19. Todos pecaram e separados estão de Deus e não há nada de si mesmos que possam fazer, mas podem entregar-se a Cristo e serem justificados gratuitamente pela redenção que há nele.

a. Em Cristo há Justificação! Quando estamos em Cristo Deus olha para nós e vê não a injustiça que há em nós, mas a justiça que há em Cristo e que a nós foi imputada uma vez que cremos nele e nos rendemos aos seu pés.

b. Em Cristo há perdão dos pecados.

c. Em Cristo há redenção – ele pagou o preço do nosso resgate.

d. Em Cristo Deus se torna propício a nós.

e. Enfim, em Cristo há salvação

20. Diz-se que

Certo mineiro, quando trabalhava em uma mina de carvão, foi deixado para trás por seus companheiros e, quando estava sozinho, de repente, sua lâmpada caiu e apagou-se. Ficou em completa escuridão, e sua única esperança era encontrar um guia seguro para o elevador. Tateando nas trevas, o pé bateu nos trilhos da estrada de ferro pela qual transportavam o carvão. Cautelosamente, foi se movendo com dificuldade, conservando um pé a deslizar pelo trilho. Não podia ver nada, mas conseguia sentir o trilho. Depois de muito tempo, chegou ao pé do elevador e pôde dar o sinal para o mandarem buscar. Em pouco tempo, foi elevado para a superfície, saindo para a gloriosa luz do Sol que lhe mostrou o caminho para casa. Confiando naqueles trilhos, em meio à escuridão, encontrou, enfim, o caminho iluminado.

Nós também temos, neste mundo escuro e tenebroso, um trilho seguro que nos conduz à verdadeira luz eterna. É o único caminho certo. Disse o Senhor Jesus: "Eu sou o caminho" (João 14:6). É o caminho "dos tempos antigos, desde os dias da eternidade" (Miquéias 5:2). Ver o bom caminho, no entanto, reconhecê-lo, e mesmo amá-lo, não é o bastante. Precisamos andar "por ele". A obediência é a resposta da fé.[2]

21. O Apóstolo Paulo, escrevendo aos Coríntios, assim afirmou:

“... se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. E tudo isso provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo... Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados...” (2 Coríntios 5:17-19 RC)

22. Concluo conclamando a você que entregue hoje mesmo a sua vida a Jesus. Tenha mudado, hoje mesmo, o rumo de sua vida, aqui, e principalmente na eternidade.

23. Zaqueu, o publicano, teve um encontro com Jesus, e a ele foi dito: “Hoje veio salvação a esta casa”. Será que o mesmo poderá ser dito de você hoje?

Pr. Walmir Vigo Gonçalves

prwalmir@hotmail.com

Visite também www.igrejabatistanoparqueimperatriz.blogspot.com

 

 


[1] Conforme Lawrence Olson em cd de Pregações Bíblicas.

[2] Ezequias de Souza Silva

sexta-feira, 17 de junho de 2011

O COMPORTAMENTO…

O COMPORTAMENTO DOS HOMENS PERANTE DEUS E A AÇÃO DE DEUS EM RELAÇÃO A ESSE COMPORTAMENTO.

Salmo 31 – destaque para os vs. 23 e 24

01. Este é um Salmo onde Davi fala sobre seus sofrimentos e a vitória vinda do Senhor.

Podemos dividi-lo em 5 partes[1]:

a. Versículos 1-8: Davi ora ao Senhor;

b. Versículos 9-13: Davi continua orando, lamentando, porém, a angústia física e os perigos pelos quais ele passara;

c. Versículos 14-18: Davi pede a Deus que o livre, e que silencie os seus inimigos;

d. Versículos 19-22: Davi louva a Deus, reconhecendo que Ele guarda os que lhe pertencem;

e. Versículos 23 e 24: Davi exorta aos que esperam no Senhor a que se esforcem, e o Senhor lhes fortalecerá o coração.

02. Quem nunca passou por momentos difíceis?

03. Li em algum lugar que as únicas pessoas que não têm problemas, não passam por dificuldades, estão no cemitério.

04. Isso é verdade só em parte, só em se tratando dos problemas desta vida, sem considerar as dificuldades eternas daqueles que partiram sem Jesus.

05. Peter Marshall disse certa vez que quando desejarmos uma vida sem dificuldades será bom nos lembrarmos que o carvalho cresce mais forte sob a força do vento e que os diamantes só são feitos sob fortíssima pressão.

06. Davi é um bom exemplo de como se comportar em ocasiões de dificuldades – as desta vida. Ele é especialmente exemplo, segundo meu ponto de vista, de sinceridade. O que ele estava sentindo ele colocava diante do Senhor. E ele nos ensina que, de certa forma, a ação de Deus para conosco estará em acordo com o nosso comportamento.

07. Para refletirmos sobre isso, quero analisar três afirmações que encontramos nos versículos aos quais dei destaque no início, os versículos 23 e 24.

I. O Senhor Guarda os Fiéis.

01. “O Senhor guarda os fiéis”. Essa é a primeira afirmação de Davi que quero analisar com os irmãos.

02. Davi teve essa experiência com Deus. Veja o seu louvor a Deus nos versículos 19-22:

a. No v. 19 Davi mostra que Deus tem, guardada para os que O temem, uma grande bondade. Paulo também falou sobre isso em Romanos 11:22.

b. No v. 20 Davi diz que, aos que temem ao Senhor de verdade, Ele os protege nas adversidades.

c. O v. 21 dá-nos a entender que a misericórdia do Senhor para com aqueles que O temem, é ainda mais patente nos momentos mais difíceis da vida.

d. No v. 22 Davi fala sobre sua pressa, o desejo de que tudo fosse resolvido no seu tempo, e não no de Deus. Isso o levou até a enfraquecer na fé, mas, mesmo assim, Deus ouviu a sua súplica.

03. O Senhor tem os fiéis em Suas mãos, e os guarda, mesmo quando permite as adversidades sobre estes.

04. Um exemplo que poderíamos trazer à memória é Jó...

05. Bom, mas esta foi a experiência de Davi, lá no passado. E hoje? E conosco?

06. Hoje, conosco, a história é a mesma. Deus continua o mesmo! Ele não muda. Tiago, em 1.17 diz que “toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança, nem sombra de variação”.

07. Isso não significa ausência de adversidades. Deus guarda aqueles que Lhe são fiéis mesmo em meio à adversidade e lhes dá forças para, enquanto ela não se dissipa, suportá-la, e crescer em sua fé. E muitas vezes Deus não só nos dá forças, mas nos livra das adversidades.

08. “As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos”, foi a acertada expressão do profeta Jeremias ao escrever suas Lamentações, em 3.22.

09. Eu poderia descrever várias ocasiões que poderiam ter trazido para o contexto de minha vida tribulações; mas o Senhor me guardou, e isso mesmo em algumas dessas ocasiões eu não Lhe estar sendo tão fiel assim; mas Ele me guardou, e me tem guardado, e estou certo de que muitas das tribulações das quais Ele tem me guardado eu sequer cheguei a imaginar a possibilidade de seu acontecimento, porque Deus tem se antecipado a elas em Seu cuidado paterno para comigo. E creio que cada um dos irmãos aqui presentes, parando para meditar um pouco, poderá chegar à conclusão de que esta é também a sua experiência.

10. Passemos à segunda afirmação:

II. O Senhor Retribui com Abundância aos Soberbos.

01. Há uma coisa que Deus também é, da qual muitos se esquecem: JUSTIÇA!. E a justiça de Deus exige punição para quem precisa de punição. É por isso que Davi diz que Deus retribui com abundância aos soberbos.

02. Davi foi um homem que muitas vezes presenciou a justiça de Deus em ação, até mesmo em sua própria vida. Um dos primeiros que ele viu ser atingido pela justiça divina, e por seu intermédio ainda, foi Golias, um tremendo dum soberbo.

03. O salmo 94:2 diz que Deus é o juiz de toda a Terra, e que Ele dá o pago aos soberbos.

04. Nem os servos de Deus escapam de sua justiça, que é aplicada muitas vezes com intenção disciplinadora. Cito alguns exemplos:

a. Jonas;

b. Alguns irmãos da igreja em Corinto, na época de Paulo;

c. Ananias e Safira (a disciplina, nesse caso, serviu para a igreja que se formava, porque esses dois morreram);

d. Israel várias vezes. Veja em especial Juízes 5:32-6:1;

05. Gálatas 6:7 diz o seguinte: “Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará”.

06. Todos os que se portam soberbamente diante de Deus, todos os que pensam que podem brincar com Ele, todos os que desprezam as Suas orientações, mais cedo ou mais tarde, não havendo arrependimento, receberão a justa e abundante retribuição. Na verdade, colherão aquilo que plantaram, e terão uma colheita “invejável”. Deus não é homem para que nós brinquemos com Ele.

a. Temos sido fiéis a Deus, ou temos nos portado soberbamente em Sua presença?

b. Temos obedecido à Sua Palavra, ou simplesmente a temos ignorado?

c. Antes de pensarmos em viver no erro, estejamos conscientes dessa verdade revelada.

07. Vejamos agora a terceira afirmação que encontramos no texto:

III. O Senhor Fortalece o Coração de Quem se Esforça e Espera N’ele.

01. Agora Davi se dirige aos seus leitores que esperam no Senhor, e diz-lhes: “Esforçai-vos, e Ele fortalecerá o vosso coração, vós todos que esperais no Senhor”.

02. Davi estava dando um testemunho de sua própria experiência. Releia os seguintes trechos: 1a; 3a; 5a; 6,7a; 13, 14, 15a. E sentimos a força que Deus lhe deu, nas palavras dos versículos 19-22.

03. Conta-nos uma história que...

... uma pessoa perguntou certa vez a um antigo estadista inglês chamado William Gladstone, como ele podia manter-se tão calmo diante dos grandes e complexos problemas que enfrentava como estadista. Diz-se que, como resposta, Gladstone levou o amigo até o seu dormitório, e mostrou-lhe um quadro pendurado na parede, onde ele podia ler a cada manhã as palavras de Isaías 26:3: “Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em Ti; porque ele confia em Ti”

04. Se nós esperarmos inteiramente no Senhor, e confiarmos n’Ele, e formos crentes esforçados, experimentaremos, sem sombra de dúvidas, o fortalecimento interior, vindo de Deus, prometido em Sua Palavra.

Concluindo...

01. Diante do exposto, podemos chegar às seguintes conclusões:

a. Se formos fiéis ao Senhor, não precisaremos temer nada, pois temos a promessa de que Ele nos guardará em quaisquer circunstâncias. Se buscarmos o reino de Deus em primeiro lugar, todas as demais coisas não nos hão de faltar.

b. O que o homem planta, colhe. É bom não sermos soberbos e ignorar as orientações de Deus em Sua Palavra. Deus é amor, mas também é justiça.

c. Aquele que espera e confia no Senhor, de verdade, será um homem dotado de grande força espiritual.

Pr. Walmir Vigo Gonçalves


[1] Divisões extraídas de uma nota de rodapé da “Bíblia Anotada” por Charles Caldwell Ryrie, da editora Mundo Cristão.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

VOCÊ FOI SALVO PARA…

VOCÊ FOI SALVO PARA...

Pessoa_24301. Eu estava lendo esta semana, na Terça-feira (15/06), bem cedinho, os primeiros capítulos do livro de Josué. Li os sete primeiros capítulos. Tem muita coisa interessante nesses sete capítulos. Algumas delas são:

a. As palavras de Deus a Josué, nos versos 7-9 do capítulo 1;

b. A travessia do Jordão a “pés enxutos”, e isso em época de cheia do Jordão;

c. A conquista de Jericó;

d. O pecado de Acã (veja 7.21) e sua conseqüência;

02. Ah! E tem também a história da salvação de Raabe, a partir do capítulo 2. Eu a deixei por último por causa de uma observação feita por Scofield em nota de rodapé em uma de minhas bíblias. Scofield comenta que “até mesmo numa cidade perdida, uma pessoa vil e imoral pode encontrar graça ao voltar-se a Deus com fé”.

03. Será a demonstração desse fato um dos motivos pelos quais ou “PARA QUE” Deus salvou Raabe?

04. É interessante amados o fato de que sempre somos levados a considerar e consideramos “de quê” fomos salvos, e, quase nunca, o “para quê”.

05. Digamos que você tenha sofrido um acidente tão grave que em acredita que está vivo aqui hoje. Então, ao se lembrar, você agradece a Deus por ter sido salvo DAQUELE acidente. Mas já parou pra pensar na razão, no “por quê” ou “para que”?

06. Na Bíblia quase sempre vemos um objetivo no livramento de alguém:

a. Moisés, bebezinho ainda, foi livre da morte, e houve uma razão, e nós conhecemos essa razão.

b. O povo israelita foi salvo do Egito depois de mais de quatrocentos anos, e houve uma razão, também conhecida por nós.

c. Jonas, o profeta, foi salvo do ventre do grande peixe (seja lá que peixe foi), e houve uma razão igualmente conhecida por nós.

07. Entretanto, volto a repetir, é interessante o fato de que sempre somos levados a considerar e consideramos “de quê” fomos salvos, e, quase nunca, o “para quê”

08. Talvez até, em se tratando de salvamentos em termos físicos, materiais, isso (o fato de quase nunca pensarmos no “para quê”) seja aceitável, mas em termos espirituais, a história é outra.

a. Fomos salvos “de”:

    i. Nossos pecados, e, consequentemente, da ira de Deus e do inferno.

b. Mas não podemos deixar de pensar no “para quê” fomos salvos.

09. Então vamos pensar nisso hoje.

10. Leiamos I Tessalonicenses 1:9-10 e II Coríntios 5:15, para vermos pelo menos três objetivos de Deus em nossa salvação.

porque eles mesmos anunciam de nós qual a entrada que tivemos para convosco, e como dos ídolos vos convertestes a Deus, para servir ao Deus vivo e verdadeiro e esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dos mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura. (1 Ts 1:9-10 RC)

E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou. (2 Coríntios 5:15 RC)

11. Tendo lido os textos vamos agora aos objetivos, sendo o primeiro:

I. SERVIR O DEUS VIVO E VERDADEIRO.

“... dos ídolos vos convertestes a Deus, para servir ao Deus vivo e verdadeiro...”

(1TS. 1.9)

Fomos salvos para servir O Deus Vivo e Verdadeiro!

01. Vamos dizer todos juntos: Fomos salvos para servir o Deus Vivo e Verdadeiro.

02. Agora diga você: Eu fui salvo(a) para servir o Deus Vivo e Verdadeiro.

03. Veja o que diz Romanos 6:16:

“Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça?” (Romanos 6:16 RC)

04. Em última análise, só existem dois senhores: Deus ou o diabo.

05. Porém, de uma maneira mais generalizada, podemos ver vários “senhores” operando no mundo: a idolatria, a prostituição, a mentira, a avareza, etc. E cada um desses senhores tem os seus servos, e há servos que obedecem a vários senhores ao mesmo tempo.

06. Escrevendo aos Tessalonicenses, em 1:9, Paulo diz que eles, antes, eram servos dos ídolos. Mas, eles foram salvos dos ídolos para servirem ao Deus Vivo e Verdadeiro.

07. O próprio Paulo foi salvo e designado por Jesus para servi-lo levando o seu nome diante dos gentios, e dos reis e dos filhos de Israel (Atos 9:15)

08. Sendo salvos por Deus, não podemos mais continuar servindo

a. à idolatria,

b. ao dinheiro,

c. ao adultério,

d. à prostituição,

e. ao alcoolismo, às drogas,

f. à mentira,

g. à carne,

h. ao mundo,

i. ao palavreado torpe,

j. às rixas,

k. às confusões,

l. enfim, a qualquer coisa ou pessoa que não seja Deus, o Deus Vivo e Verdadeiro.

09. Fomos salvos

a. dos nossos pecados;

b. da ira de Deus

c. e da condenação,

d. para servirmos ao Deus Vivo e Verdadeiro.

10. Vamos agora ao segundo objetivo:

II. ESPERAR DOS CÉUS A JESUS, QUE NOS LIVRA DA IRA (Juízo) FUTURA.

“... dos ídolos vos convertestes a Deus, para servir ao Deus vivo e verdadeiro e esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dos mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura

(1TS. 1.9-10)

Fomos salvos para esperar dos céus a Jesus, que nos livra da ira (juízo) futura!

01. Vamos dizer todos juntos: fomos salvos para esperar dos céus a Jesus, que nos livra da ira futura!

02. Agora diga você: eu fui salvo(a) para esperar dos céus a Jesus, que me livra da ira futura!

03. Paulo coloca essa questão também para os Tessalonicenses.

04. Podemos apontar pelo menos duas razões bem práticas para esse “para que”:

a. Essa esperança, mantida viva nos corações dos crentes, livra do temor – Veja 1 Ts. 4.13-18:

“Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que [já] dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança. Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem Deus os tornará a trazer com ele. Dizemo-vos, pois, isto pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem. Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor. Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras.” (1 Ts 4:13-18 RC)

b. Essa esperança leva à uma maior preocupação quanto à purificação – Veja I João 3:2 e 3; II Pedro 3 e Efésios 5:27.

Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifesto o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos. E qualquer que nele tem esta esperança purifica-se a si mesmo, como também ele é puro. (1 João 3:2-3 RC)

Amados, escrevo-vos, agora, esta segunda carta, em ambas as quais desperto com exortação o vosso ânimo sincero, para que vos lembreis das palavras que primeiramente foram ditas pelos santos profetas e do mandamento do Senhor e Salvador, mediante os vossos apóstolos, sabendo primeiro isto: que nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo as suas próprias concupiscências e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? Porque desde que os pais dormiram todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação. Eles voluntariamente ignoram isto: que pela palavra de Deus já desde a antiguidade existiram os céus e a terra, que foi tirada da água e no meio da água subsiste; pelas quais coisas pereceu o mundo de então, coberto com as águas do dilúvio. Mas os céus e a terra que agora existem pela mesma palavra se reservam como tesouro e se guardam para o fogo, até o Dia do Juízo e da perdição dos homens ímpios. Mas, amados, não ignoreis uma coisa: que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos, como um dia. O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para convosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se. Mas o Dia do Senhor virá como o ladrão de noite, no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra e as obras que nela há se queimarão. Havendo, pois, de perecer todas estas coisas, que pessoas vos convém ser em santo trato e piedade, aguardando e apressando-vos para a vinda do Dia de Deus, em que os céus, em fogo, se desfarão, e os elementos, ardendo, se fundirão? Mas nós, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça. Pelo que, amados, aguardando estas coisas, procurai que dele sejais achados imaculados e irrepreensíveis em paz e tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor, como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada, falando disto, como em todas as suas epístolas, entre as quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem e igualmente as outras Escrituras, para sua própria perdição. Vós, portanto, amados, sabendo isto de antemão, guardai-vos de que, pelo engano dos homens abomináveis, sejais juntamente arrebatados e descaiais da vossa firmeza; antes, crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A ele seja dada a glória, assim agora como no dia da eternidade. Amém! (2 Pedro 3:1-18 RC)

Para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível.” (Efésios 5:27 RC)

05. Vitorino Gonzalez foi um senhor que tive a oportunidade de pastorear por um tempo (quando ele se converteu de verdade estava acometido pelo câncer que o levou pouco tempo depois). Esse homem, depois de convertido, me disse as seguintes palavras:

“Agora estou muito feliz. Antes, sem Jesus, eu não era feliz. Não sinto nenhum prazer no que ficou para trás. Eu sei que a batalha já está no fim para mim, mas estou feliz porque tenho Jesus. Estou consciente... mas tranqüilo por causa de Jesus”

06. Quando temos fé e esperança em Jesus, é assim.

a. Vivemos aguardando o seu retorno, mas, mesmo que tenhamos que partir antes, sabedores de que estamos livres da “ira futura”, que, estando em Cristo, não resta para nós mais nenhuma condenação, ficamos tranqüilos e felizes;

b. não passivos, mas tranqüilos e felizes;

c. um pouco tristes e até temerosos talvez, mas, mesmo assim, docemente tranqüilos e felizes se estamos de fato “enraizados” em Jesus.

07. Fomos salvos

a. dos nossos pecados;

b. da ira de Deus

c. e da condenação,

d. para servirmos ao Deus Vivo e Verdadeiro,

e. e para esperarmos dos céus a Jesus, que nos livra da ira (juízo) futura.

08. E o terceiro objetivo (e o último a que quero me referir hoje) é:

III. NÃO VIVERMOS MAIS PARA NÓS MESMOS, MAS PARA AQUELE Partedocorpo064 QUE POR NÓS MORREU E RESSUSCITOU.

01. É o que Paulo mostra em II Coríntios 5:15:

E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou. (2 Coríntios 5:15 RC)

02. Vamos dizer juntos: nós fomos salvos para não vivermos mais para nós mesmos, mas para Aquele que por nós morreu e ressuscitou.

03. Agora diga na primeira pessoa do singular: Eu fui salvo para não viver mais para mim mesmo, mas para Aquele que por mim morreu e ressuscitou.

04. O crente precisa viver para Jesus.

05. Fala-se muito hoje em dia em “tirar um tempinho para Jesus”, mas não é assim que a Palavra de Deus orienta. A Palavra de Deus diz que o crente deve viver para Jesus. No trabalho, na escola, no lazer, em qualquer lugar, o crente deve estar vivendo para Jesus, e não para si mesmo, e, assim , ele procurará ser o mais correto possível em tudo.

06. Sobre ser correto, há uma história que fala sobre...

... um lenhador que vendia lenha aos seus vizinhos, mas os defraudava, mandando as toras sempre com dez centímetros a menos do que elas deveriam ter. Um dia, circulou a notícia de que ele havia se convertido. Ninguém acreditou. Então, um dos fregueses, foi até um feixe de lenha entregue por ele naquele dia e mediu as toras. Voltou dizendo que ele realmente havia se convertido, porque agora, a lenha que ele entregava, não só estava na medida certa, como estava passando dez centímetros em cada tora.

07. Esse lenhador passou a agir assim porque agora estava vivendo para Jesus.

08. Pra quem você está vivendo?

09. A vontade de quem impera em sua vida?

10. Fomos salvos para viver prá Jesus, e não podemos nos esquecer disso.

09. Fomos salvos

a. dos nossos pecados;

b. da ira de Deus

c. e da condenação,

d. para servirmos ao Deus Vivo e Verdadeiro,

e. para esperarmos dos céus a Jesus, que nos livra da ira (juízo) futura,

f. e para que não vivamos mais para nós mesmos, mas para aquele que pó nós morreu e ressuscitou.

CONCLUSÃO

01. Você já foi salvo?

02. Se sim, então:

a. sirva a Deus;

b. viva a bendita esperança do retorno de Jesus que livrou, livra e livrará você da ira, ou juízo, divino;

c. e viva não mais pra você, mas para Jesus, aquele que morreu e ressuscitou por você.

03. Se não, então:

a. você está livre para viver por você mesmo, para servir aos seus próprios pensamentos, para andar “conforme lhe der na cabeça”;

b. mas esteja consciente também que você não está livre das conseqüências do futuro juízo que Deus há de trazer sobre toda a humanidade.

04. Termino convidando você, como Jesus começou seu ministério terreno convidando: arrependa-se e creia no evangelho, porque o Reino de Deus é chegado. Arrependa-se de seus pecados, creia em Jesus e renda-se a Seus pés para que você seja salvo.

Pr. Walmir Vigo Gonçalves

WALMIR E ESTER PARA POSTAGENS

terça-feira, 14 de junho de 2011

HOMENAGENS QUE RECEBI NO DIA DO PASTOR

Agradeço à minha igreja pelas homenagens por ocasião do dia do pastor batista. Abaixo coloco um videozinho, homenagem das crianças, e um poema, homenagem dos adolescentes. As demais, que não é possível colocar aqui, levo, juntos com estas, no meu coração.

Digitalizei o poema dos adolescentes e coloco como figura, para ficar manuscrito, como me foi presenteado. Caso alguém queira ler, clique sobre a figura que ela abre maior.

Homenagem ao Pr. Walmir no “Dia do Pastor Batista”–12 de Junho de 2011

digitalizar0048

quinta-feira, 9 de junho de 2011

VIGIAI

VIGIAI

vigiaiWalter B. Knight conta que no passado havia, nas vastas campinas norte-americanas, inúmeras manadas de cavalos selvagens. Esses cavalos tinham um apurado olfato e eram capazes de sentir de longe a presença de lobos, ficando em estado de alerta. Esse estado de alerta era a salvação deles, pois, aumentando o perigo, sua imensa capacidade de correr em alta velocidade possibilitava-lhes afastarem-se rápido daqueles carnívoros.

Mas os lobos eram astutos, e tinham um plano de ataque. Eles iam se aproximando devagar, como que por acaso, como se não quisessem nada com os cavalos. Vinham saltitando, brincando, fingindo indiferença, bem devagar.

Os cavalos, então, relaxavam a guarda. Uma vez relaxada a guarda, os lLobosobos atiravam-se impiedosamente sobre a presa indefesa, e o quadro, aparentemente pacífico, de um momento para o outro transfigurava-se em uma cena de extermínio e mortandade.

Irmão amado, é assim que satanás age também! Ele não se lança sobre nós abruptamente. Primeiro ele nos distrai, e isso ele faz sem pressa! É uma pequena distração aqui, outra ali, e, quando nós menos esperamos, ele se lança sobre nós, e ele vem para fazer o máximo de estrago que puder. Satanás usa de todos os meios possíveis para atrair a nossa atenção, para que tiremos a nossa atenção daquilo para o que Deus quer que nós estejamos atentos, e assim ele faz grandes estragos.

O que é que tem chamado a sua atenção e feito você se desviar constantemente daquele direcionamento que você deveria dar à sua vida, daquelas atividades que você deveria realizar e que dizem respeito à sua vida espiritual ou até mesmo familiar?

Quais são as suas responsabilidades na sua igreja? Você as tem cumprido satisfatoriamente ou tem se deixado distrair pelo inimigo a ponto de não conseguir mais cumpri-las bem?

Quais são as suas responsabilidades junto ao seu lar? Você as tem cumprido ou tem aceitado as ofertas do inimigo, ofertas essas que lhe tiram a possibilidade de cumprir suas responsabilidades junto ao seu lar?

Algumas coisas não são más em si mesmas, mas elas se tornam más quando usadas por satanás para nos distrair, para nos fazer baixar a guarda. Algumas coisas se tornam más quando não conseguimos mais administrá-las em nossa vida, e, ao contrário, somos administrados por elas. Elas se tornam uma espécie de vício!

Henry M. Stanley, um antigo explorador da África, contou que encontrou, naquele continente, inimigos perigosos, membros de uma tribo chamada Wambutti. Ele disse que esses inimigos possuíam como armas pequenos arcos e flechas e estacas que eles fincavam no chão. Cada ponta das estacas e das flechas era umedecida com uma espécie de veneno altamente mortal. A coisa mais estranha, segundo Stanley, era que esse poderoso veneno era extraído de um certo tipo de mel.

É assim também que satanás produz as suas armas contra o povo de Deus.

Diante da astúcia do inimigo, é bom que estejamos sempre alertas!

“Já está próximo o fim de todas as coisas; portanto, sede sóbrios e vigiai em oração.” (1 Pedro 4:7 RC)

“Sede sóbrios, vigiai, porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como Walmirleão, buscando a quem possa tragar;” (1 Pedro 5:8 RC)

Pr. Walmir Vigo Gonçalves

prwalmir@hotmail.com

segunda-feira, 6 de junho de 2011

PECADO, JUSTIÇA, JUÍZO E A TAREFA DO ESPÍRITO DE CONVENCER O MUNDO DESTAS COISAS

PECADO, JUSTIÇA, JUÍZO E A TAREFA DO ESPÍRITO DE CONVENCER O MUNDO DESTAS COISAS

pentateuco 01João 16.1-11

A certa altura de seu ministério terreno Jesus começou a dizer a seus discípulos acerca de sua “partida”.

No capítulo 13 de João, a partir do verso 21, ele diz que dentre os discípulos havia um que o haveria de trair. A seguir, Jesus diz mais claramente: “Filhinhos, ainda por um pouco estou convosco; buscar-me-eis, e o que eu disse aos judeus também agora vos digo a vós outros: para onde eu vou, vós não podeis ir.” E depois Jesus lhes diz que assim como ele os amara eles deveriam amar-se uns aos outros, e que se isso eles fizessem, seriam então reconhecidos pelas outras pessoas como seus discípulos.

Eu fico a imaginar como estava o coração dos discípulos diante destas palavras de Jesus. Imagine você cruz-e-mensagem-78223

a. convivendo com alguém por algum tempo,

b. construindo um fortíssimo laço de amizade,

c. vivendo experiências fantásticas,

d. e depois esse alguém lhe diz que dentro em pouco estará indo embora.

Ainda hoje eu consigo fechar os olhos e me ver em vários momentos de minha história com pessoas com quem convivi e sentir muita saudade no meu coração. E alguns desses momentos já se passaram há mais de vinte e cinco anos.

Os discípulos tinham com Jesus um fortíssimo laço de amizade, tinham vivido experiências as mais diversas com ele, e ainda mais:

a. ele era o líder deles;

b. eles haviam deixado tudo para segui-lo;

c. eles haviam aprendido e ainda estavam aprendendo muita coisa com Jesus

d. e ainda pensavam que era naquele tempo que o Messias (Jesus) tomaria para si o reino (terreno).

E agora Jesus estava a lhes dizer que iria partir.

Mas Jesus conhecia o coração dos seus discípulos, e, por isso lhes diz para que não se preocupassem e apenas cressem. Ele iria, mas voltaria, e em sua volta reuniria (reunirá) a si todos os que são seus (na casa do Pai há muitas moradas). Enquanto aqui eles deveriam permanecer ligados a ele, como as varas na videira, e em isso eles fazendo dariam muito fruto, porque Jesus os havia escolhido e nomeado para darem muitos frutos.

Mas eles não estariam sozinhos. Jesus enviaria o Consolador, o Espírito Santo, que os ajudaria, dentre outras coisas, nessa tarefa de dar frutos.

Se você ainda não leu, então leia agora João 16.1-11.

Eles teriam a responsabilidade de pregar, mas de quem seria a tarefa de convencer as pessoas? Se você respondeu “do Espírito Santo”, acertou.

E de que o Espírito Convenceria?

Isso mesmo! Do pecado, da justiça e do juízo.

Vamos considerar um pouco sobre cada um destes.

Consideremos, em primeiro lugar, o pecado.

Notemos, primeiramente, o que diz Jesus:

a. No versículo 8 ele diz que quando o Espírito vier Ele convencerá o mundo do pecado...,

b. e no versículo 9 ele continua dizendo: “do pecado, porque não crêem em mim”.

A minha intenção aqui não é desenvolver um tratado teológico acerca do pecado. Minha intenção é refletir um pouco acerca do pecado a que Jesus se refere aqui, o pecado da incredulidade, que é, na verdade, a base fundamental de toda maldade, a essência do pecado, e no qual muitos têm incorrido para a sua própria perdição.

O que na Bíblia podemos aprender sobre a incredulidade?

Consideremos olhando para um fato ocorrido. Para isso leia primeiro Hebreus 3.18 e 19. Essa passagem é uma referência a algo que está registrado a partir de Números 13 (o relato da ocasião em que espias foram enviados à terra de Canaã. Veja lá, e atente especialmente para 14.1-11, 22-24).

Incredulidade!

a. Eles viram os sinais de Deus no Egito,

b. eles viram o mar vermelho se abrir para que eles o atravessassem a pés enxutos,

c. eles viram águas amargas serem transformadas em água potável,

d. eles viram como Deus os sustentou com água e comida durante toda aquela peregrinação no deserto,

e. eles viram muitos milagres realizados por Deus em favor deles e sabiam que a razão era que Deus os queria levar para uma terra que lhes prometera.

f. Mas agora, quando estavam diante da terra, mesmo tendo experimentado tantos milagres vida afora, não creram, por causa dos homens que habitavam a terra, que Deus seria poderoso para dá-la a eles.

g. Resultado: não entraram! Aquela geração não entrou, a não ser Calebe e Josué (Moisés é um caso à parte). Não porque Deus não podia fazê-los entrar, mas porque Deus não o quis mais fazê-lo por causa da incredulidade deles.

O pecado de não crer é o pecado que nos separa de Deus.

Mas, falando ainda um pouquinho mais, o que é esse “não crer”? O que é essa incredulidade?

a. Essa incredulidade é a falta de reconhecimento vivo e pessoal de Jesus Cristo como O Salvador de todos, falta essa que remove os homens da possibilidade de perdão dos seus pecados, porque é através exclusivamente de Cristo que se chega a esse perdão. (Champlin)

b. Essa incredulidade não é apenas um pecado a mais entre uma grande multidão de outros pecados, ela é o alicerce de todo pecado, pois é ela que faz com que o homem permaneça irregenerado. (Champlin)

c. Essa incredulidade, por ser a falta de reconhecimento de Cristo como O Salvador, é, consequentemente, rejeição do destino eterno de glória que Deu tem oferecido ao homem. (Champlin)

Antes de encerrar esse ponto quero ainda fazer referência, mais uma vez, à história do malabarista que atravessava de um lado para o outro, ia e voltava, por sobre uma cachoeira como as nossas cataratas, e todos aplaudiam. Num dado momento ele perguntou à platéia se eles criam que ele podia fazer a mesma coisa com alguém em seus ombros, ao que todos responderam que sim, especialmente um homem que, muito animado, querendo ver a façanha, gritava que sim. O malabarista, então, convidou exatamente esse homem pra subir em seus ombros, mas quem disse que ele foi? Ele não cria de verdade...!

Crer, amados, falando de forma simples, é isso: é ter a coragem e a confiança para “subir nos ombros de Jesus e deixar que ele nos leve”...

a. que ele nos leve vida afora,

b. que ele dirija os nossos caminhos,

c. que ele nos leve para a “terra prometida”.

Há muita gente que “acredita”, mas não crê de fato.

O Espírito Santo tem como uma de suas atribuições, convencer-nos acerca dessa nossa incredulidade e levar-nos à verdadeira fé.

a. Quem sabe o Espírito não está tocando agora, neste exato momento, em seu coração, acerca deste fato?!

b. Quem sabe o Espírito não está, neste exato momento, mostrando a você que você permanece ainda na incredulidade, e querendo te levar à verdadeira fé?!

c. Abra bem os seus “ouvidos”! Abra bem o seu coração! Ouça o que o Espírito está a lhe dizer! Disto depende o bem estar eterno de sua alma.

Em segundo lugar, consideremos a justiça.

Jesus diz que o Espírito convenceria o mundo da justiça, porque ele iria para o Pai.

a. Jesus seria traído por um dos seus discípulos;

b. Jesus seria preso, julgado e condenado injustamente;

c. Jesus seria crucificado;

d. Jesus morreria na cruz; Jesus seria sepultado;

e. MAS Jesus ressuscitaria e voltaria para o Pai, onde e de quem ele receberia a glória total que lhe pertence.

A ida de Cristo para o Pai convence os homens da justiça, então, porque mostra que a cruz não foi o fim de tudo; pelo contrário, teve valor expiatório.

a. Cristo não foi derrotado na cruz. Ele ressuscitou dentre os mortos e subiu para o Pai.

b. O que Cristo sofreu na cruz sofreu em nosso favor (Leia Isaías 53). Mas a cruz não o segurou.

O preço do nosso pecado foi pago por ele; e ele, depois de morrer pelos nossos pecados, venceu a morte e agora está à direita do Pai a interceder por aqueles que são seus.

Em terceiro lugar, consideremos o juízo.

Jesus disse que o Espírito convenceria acerca do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado.

Os irmãos já pararam pra pensar nisso?

a. Satanás já está julgado, e condenado, esperando apenas a consumação de tal condenação.

b. O mundo jaz nele;

c. Ele é o príncipe deste mundo;

d. O mundo em geral permanece e age de uma forma que é da vontade dele e não de Deus;

e. Conseqüentemente, não só ele, mas o mundo também já está julgado e condenado, aguardando apenas a consumação de tal condenação.

Um dos significados disso, amados, é que todos quantos insistem em permanecer sob a direção de si próprio e dos costumes do mundo, sem Cristo na vida como salvador e Senhor, estão aderindo a uma causa condenada, entrando na viagem da vida em um navio cujo naufrágio é certo e iminente.

Vamos imaginar uma situação hipotética: imaginemos que tenhamos que atravessar o oceano atlântico. Dois aviões estão parados no aeroporto nos esperando. Você chega e alguém lhe leva até onde estão os aviões e lhe informa que um está perfeito e chegará ao destino final, mas o outro tem um defeito e cairá com certeza no meio do oceano atlântico, e você pode escolher em qual você quer entrar. Em qual você entraria?

a. Quem sabe o Espírito não está tocando agora, neste exato momento, em seu coração, acerca deste fato?!

b. Quem sabe o Espírito não está, neste exato momento, mostrando a você que você, insistindo em dirigir sua própria vida ao invés de entregá-la a direção de Cristo, está investindo em uma causa condenada?!

c. Abra bem os seus “ouvidos”! Abra bem o seu coração! Ouça o que o Espírito está a lhe dizer! Disto depende o bem estar eterno de sua alma.

Concluindo...

Primeiro quero me dirigir a você que diz que já crê em Cristo:

a. Crê de fato? salvation-br-12

b. Reconhece-o como o seu salvador?

c. Já se arrependeu de sua incredulidade?

d. Já entregou a ele a direção de sua vida?

e. Já vive de maneira que o nome dele seja honrado e glorificado em você?

Agora me dirijo a você que ainda não crê, no verdadeiro sentido de crer, conforme vimos durante a mensagem bíblica:

a. A sua permanência na incredulidade pode levá-lo para onde você, com certeza, não quer ir.

b. Em Apocalipse 20 lemos sobre o “Lago de Fogo”, o lugar onde o tormento será “para todo o sempre”.

i. Lá está escrito que para dentro desse lugar serão lançados o Diabo, a besta, o falso profeta e todos cujos nomes não estiverem escritos no Livro da Vida.

ii. Você gostaria de ser lançado para dentro desse lugar?

iii. Certamente que sua resposta é um grande NÃO!

iv. Então você precisa arrepender-se de sua incredulidade e crer... reconhecer a Cristo como seu Salvador e entregar a ele a direção de sua vida?

v. Você gostaria de fazer isso hoje?

Você gostaria de entregar sua vida a Jesus e ser salvo? Faça isso! Diga a Ele, em uma oração particular, com suas próprias palavras, do seu arrependimento de viver sem Ele até aqui e de seu desejo que Ele te salve e seja o Senhor de sua vida.

WALMIR E ESTER PARA POSTAGENSPr. Walmir Vigo Gonçalves  

prwalmir@hotmail.com  

domingo, 5 de junho de 2011

JESUS ESTÁ PRESENTE

CLIQUE PARA OUVIR

JESUS ESTÁ PRESENTE

Grupo Logos

Há dias que me sinto um discípulo naquele barco em meio ao temporal;

As ondas são maiores que a minha fé, e, sem saber pra onde ir, eu fico ali...

Eu posso ver o medo em outras caras; naquele barco todos passam mal.

Não há quem tenha força tal que pare ou que devolva o rumo aquela nau.

Mas um de nós se lembra e acorda o mestre, que estava todo tempo ali também...

Ordena calma às águas, aumenta-nos a fé, pra não mais esquecermos que Ele está ali.

Ele está presente é o que nos basta! Não importa a hora e o que acontecer!

Pode a tempestade vir me abater... Jesus está comigo eu vou vencer!

Assim são nossas vidas hoje em dia nos vales tão profundos onde a dor,

angústias, medos, traumas e decepções se mostram prontos a nos abater...

Aí é só lembrar do nosso mestre. Jesus estava lá e está aqui também.

Ordena paz pra alma, aumenta-nos a fé, restaura nossas vidas pois está aqui.

Ele está presente é o que nos basta! Não importa a hora e o que acontecer!

Pode a tempestade vir me abater... Jesus está comigo eu vou vencer!

quinta-feira, 2 de junho de 2011

JESUS É A LUZ

JESUS É A LUZ

Leia os seguintes textos bíblicos:Luz muito forte

“... em ti está o manancial da vida; na tua luz veremos a luz.” (Salmos 36:9 RC)

“Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo.” (2 Coríntios 4:6 RC)

“E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas. E disse Deus: Haja luz. E houve luz.” (Gênesis 1:2-3 RC)

“Falou-lhes, pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida.” (João 8:12 RC)

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más.” (João 3:16-19 RC)

Estes trechos das Escrituras têm algumas coisas em comum, dentre elas o fato de que todos falam de luz.

Que importância tem a luz para você?

Eu não sei quanto a você, mas para mim ela é muito importante. Eu gosto da luz do dia, e à noite só suporto escuridão completa se estou dormindo. De alguma maneira tem que haver claridade, e para haver claridade é preciso que haja luz vinda de alguma fonte qualquer.

Se pensarmos bem, não é nem uma questão de gostar, é uma questão de necessidade. Até as pessoas que não enxergam precisam da luz, pelo menos para que nós não tropecemos nelas.

Conta-se a história...

...de um velho cego que sempre levava consigo uma lanterna acesa, quando saia à noite.

– O senhor não sabe quando é dia ou noite – disse-lhe alguém certa vez – por que leva sempre consigo essa lanterna?

– Oh! – respondeu o velho – trago comigo a luz para que os outros não tropecem em mim!

Essa história se presta a ilustrar o fato de que o crente, como luz do mundo, deve sempre estar “aceso”, a fim de não ser causa de tropeço para ninguém, mas também podemos usá-la aqui, a fim de mostrar, de uma maneira descontraída, que até mesmo aqueles que não podem ver a luz, dela necessitam, ainda que talvez não diretamente.

A luz é importante não só agora, no tempo presente. Desde os primórdios da humanidade a luz tem tido um lugar de proeminência na vida da humanidade. É só dar uma olhadinha na Bíblia, por exemplo, para percebermos isso.

Poderíamos facilmente, aqui, se nos déssemos a esse trabalho, apontar milhares de exemplos sobre a importância da luz, desde exemplos simples até exemplos grandiosos.

A luz é tão importante que ela se tornou símbolo de uma série de coisas, e nos textos acima se vê que até Deus usa a luz como símbolo. O Salvador é visto como luz, bem como a salvação que ele oferece. E assim é que Deus nos revela em Sua Palavra que só podemos ver a luz (salvação) iluminados pela luz que é o Seu Filho. E para sermos iluminados pela luz que é o Seu Filho, precisamos recebê-lo em nossas vidas como Salvador e Senhor, pela fé.

Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. ... Deus enviou o seu Filho ao mundo... para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está em estado de condenação, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. E condenação consiste do fato de que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, preferiram as trevas porque amam as obras das trevas.

O Deus que disse que das trevas resplandecesse a luz, o Deus Criador, que, dentre outras coisas, criou a tão importante luz, quer fazer resplandecer também em nossos corações a luz, uma luz diferente, a luz do conhecimento de Sua glória, e essa luz é Seu Filho. E o Filho mesmo disse que quem não quiser andar nas trevas espirituais que o levará às trevas eternas, precisa seguir a ele, a luz da vida.

Conta-se (C. Paraskvopoulou - Grécia) que...

... um homem caminhava ao lado de um cemitério numa noite escura. O céu estava carregado, e não se via uma estrela. Uma garotinha que caminhava no mesmo sentido passou pelo homem, e este lhe perguntou:

– Menina, você não tem medo de passar pelo cemitério a esta hora da noite?

Ao que a criança respondeu:

– Não, senhor. Pode ver aquela luz brilhando pouco além do cemitério?

– Sim, posso - replicou o homem.

– É ali a minha casa. Para lá é que estou indo.

Que verdade preciosa! Além do cemitério, há um lar reluzente do nosso Pai celestial. Mas, para irmos pra lá, só seguindo aquele que é a Luz da vida.

H. Cecil Pavson (Inglaterra) conta que...

... na Capela Keble do Colégio de Oxford, acha-se o original da pintura de Holman Hunt, intitulada "A Luz do Mundo". A que se encontra na Catedral de São Paulo, em Londres, ainda que lindíssima, é uma réplica daquela. Como é sabido, a pintura apresenta Cristo segurando uma lanterna e batendo numa porta fechada.

Quando fui a Oxford, diz Cecil, visitei a Capela. Não havia ali ninguém, senão o zelador. Bondosamente, ele me conduziu ao local, onde a pintura se achava guardada num estojo de madeira. Colocou-a na posição em que eu poderia contemplá-la em plena luz e, depois, abriu o estojo. Fiquei tão absorvido na contemplação da pintura, que esqueci que não estava só. Comecei a pensar e expressar, em voz alta, o que me ia no pensamento! "Então o trinco da porta está pelo lado de dentro!" E o zelador, que estava atrás de mim, acrescentou, incontinenti: "Sim, o senhor terá de permitir que Ele entre!"

Que grande verdade! Para Cristo habitar em mim, Ele terá de entrar primeiro no meu coração. E eu preciso convidá-lo a entrar. Haverá alguma parte da minha vida, na qual Ele não foi admitido?

Pr. Walmir Vigo Gonçalves

WALMIR E ESTER PARA POSTAGENS