domingo, 21 de fevereiro de 2010

A CELEBRAÇÃO DA CEIA DO SENHOR

A CELEBRAÇÃO DA CEIA DO SENHOR

 

1.    Hoje estaremos celebrando a Ceia do Senhor.

2.    Foi o Senhor Jesus quem a institui na noite anterior à sua crucificação. Assim diz o texto bíblico:

 

"... o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão; E, tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei: isto é o meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o Novo Testamento no meu sangue: fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim. Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha." (1 Coríntios 11:23-26 DO)

 

3.    Mas, qual o sentido, qual o significado, o que é a Ceia do Senhor? Possui ela alguma "propriedade sobrenatural"?

4.    A resposta é "não". A Ceia é um cerimonial simples;

a.    Importante, mas simples;

b.    Que não devemos jamais deixar de lado, esquecer, mas simples;

c.    Passa uma mensagem profunda, mas ela, em si mesma é simples.

d.    Pelo menos é essa a conclusão que podemos tirar quando fazemos uma leitura da Bíblia.

5.    Vejamos algumas conclusões a que a Bíblia nos leva sobre a celebração da Ceia do Senhor.

 

I. Primeiramente, por aquilo que lemos na Bíblia sobre a Ceia do Senhor entendemos tratar-se ela de uma ordenança.

 

1.    A Ceia do Senhor é uma ordenança que ele nos deixou.

2.    Mas o que é uma ordenança?

3.    Vamos entender o que é uma ordenança. Quem vai nos ajudar é Henry Clarence Thiessen através de seu livro "Palestras em Teologia Sistemática".

4.    Para isso precisaremos ver, primeiramente, também ajudados por Thiessen, o significado de mais duas palavras: símbolo e rito.

a.    Símbolo: É a representação visível de uma verdade invisível.

b.    Rito: É um símbolo que é usado com regularidade e intenção sagrada.

c.    Ordenança é, então, "um rito externo ordenado por Cristo para ser administrado na Igreja, como sinal visível da verdade salvadora da fé cristã"

5.    Nesse sentido então, nós só encontramos na Bíblia duas ordenanças: o Batismo e a Ceia do Senhor.

6.    Veja o que dizemos em nossa declaração doutrinária (Batista – CBB) a partir de um entendimento sobre o assunto:

 

O batismo e a ceia do Senhor são as duas ordenanças da igreja estabelecidas pelo próprio Jesus Cristo, sendo ambas de natureza simbólica. O batismo consiste na imersão do crente em água, após sua publica profissão de fé em Jesus Cristo como Salvador único, suficiente e pessoal. Simboliza a morte e sepultamento do velho homem e a ressurreição para uma nova vida em identificação com a morte, sepultamento e a ressurreição do Senhor Jesus Cristo é também prenúncio da ressurreição dos remidos... A ceia do Senhor é uma cerimônia da igreja reunida, comemorativa e proclamadora da morte do Senhor Jesus Cristo, simbolizada por meio dos elementos utilizados: O pão e o vinho. Neste memorial o pão representa seu corpo dado por nós no calvário e o vinho simboliza seu sangue derramado...

 

7.    Passemos à segunda conclusão:

 

II. A Ceia do Senhor é um memorial.

 

1.    Um memorial é uma marco, um cerimônia, um escrito ou outra coisa qualquer que vise servir como lembrança de algo.

2.    Lemos que Jesus ao instituir a Ceia disse aos seus discípulos: "fazei... em memória de mim".

3.    Esse é o "olhar para trás", um olhar histórico com o objetivo de recordar de Jesus em todos os eventos de sua vida, especialmente de sua morte.

4.    O povo de Israel era acostumado com memoriais. No A. T. encontramos vários deles. Vejamos apenas alguns:

a.    Êxodo 12 – uma narrativa acerca da saída do Povo de Israel do Egito. Se quiser veja lá todos os detalhes. O que quero destacar é o que encontramos no verso 14: "E este dia vos será por memória, e celebrá-lo-eis por festa ao Senhor; nas vossas gerações o celebrareis por estatuto perpétuo". Trata-se da Páscoa dos Judeus – uma festa memorial.

b.    Josué 4.1-7 – Uma edificação memorial da passagem pelo Jordão.

c.    Esdras 6.1-5 – Um escrito memorial de uma ordem do rei Ciro acerca da reconstrução do templo de Jerusalém.

5.    A Ceia do Senhor é o nosso memorial, um memorial, como já foi dito, de Jesus em todos os eventos de sua vida, especialmente de sua morte, incluindo-se a razão da mesma.

6.    A terceira conclusão é a de que...

 

III. A Ceia do Senhor é uma pregação.

 

1.    Aliás, os memoriais em geral têm essa função de apregoar algo.

2.    Voltando a Josué, Deus lhe disse para erigir o altar de pedras como memorial e disse que mais tarde na história os pequeninos veriam o altar e perguntariam sobre ele e então a história lhes deveria ser contada.

3.    A Ceia do Senhor é uma pregação acerca daquilo que Jesus fez por toda a humanidade; uma pregação sobre sua morte na cruz e a razão porque ele morreu, e uma pregação acerca daquilo que ainda será – ("... até que venha").

4.    E a quarta e última conclusão para hoje é que...

 

IV. A Ceia do Senhor é uma declaração de fé e esperança.

 

1.    Quem participa da Ceia do Senhor legitimamente está declarando que crê em Cristo e em seu sacrifício vicário, e que, por crer, tem parte no Corpo de Cristo.

2.    Também está incluída a declaração de fé no retorno de Cristo ("... até que venha")

 

Concluindo

 

1.    A Ceia do Senhor é uma ordenança, e o é para toda a igreja e não para alguns em especial.

a.    Sendo assim, aqueles da igreja, crentes genuínos, que não se preocupam em observá-la, que não se preocupam em se reunirem na e com a igreja no dia em que se celebrará a Ceia, por motivos banais, estão duplamente errados: 1) errados por faltarem à toa (Hebreus 10.25) e 2) errados por não se preocuparem em observar aquilo que Jesus ordenou.

2.    A Ceia do Senhor é um memorial.

a.    Diante disso, é válida a pergunta: você sabe o que você está relembrando ao participar da Ceia? Você já se preocupou em ler/estudar pelo menos os evangelhos?

3.    Juntando os dois últimos pontos, a Ceia do Senhor é uma pregação e uma declaração de fé e esperança.

a.    Diante disso, é oportuna a pergunta: se algum familiar, amigo ou conhecido seu estivesse presente no culto vendo você participar dessa celebração o que ele diria? Será que ele diria que a sua vida é condizente com aquilo que você está pregando e declarando crer e esperar, ou diria o contrário?

4.    (Encerrar dando um tempo para reflexão e oração pessoais e depois passar à celebração).

 

Pr. Walmir Vigo Gonçalves

Porto Meira – Fevereiro de 2010

 

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

TEMPLO DO ESPÍRITO

TEMPLO DO ESPÍRITO

     

"Não sabeis vós que os vossos corpos são membros de Cristo?... Não sabeis que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus." (1 Coríntios 6:15, 19-20 RC)

           

"Por ele (Jesus), ambos temos acesso ao Pai em um mesmo Espírito. Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos Santos e da família de Deus; edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor, no qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus no Espírito." (Efésios 2:18-22 RC)

      

É coisa comum darmos uso diferente do original a objetos que possuímos. Assim é que uma latinha de refrigerante vira um cofrinho, uma caixa de papelão se presta a guardar cadernos, livros, fotografias, etc. Mas seu uso original não é esse. Uma saboneteira, por exemplo, pra que foi feita? A resposta é óbvia: para colocar sabonete. Mas às vezes a usamos para várias outras coisas, como, exemplificando, para guardar pequenos objetos. Nas mãos de alguns ela vira até um porta-bijuteria. Mas não foi pra isso que ela foi feita originalmente, e, quando alguém resolve que vai devolvê-la à sua função original, então esse alguém terá que esvaziá-la de tudo o que lhe colocou e pôr dentro dela um sabonete, um cheiroso sabonete, algo que é limpo e que limpa, junto com a água, a nossa pele.

 

A Bíblia nos dá conta, amados, que Deus, em Cristo Jesus, nos gerou de novo para que fôssemos templo de Seu Espírito, o Espírito Santo. E, conseqüentemente, tudo em nós, tudo nosso, tudo o que fazemos e como fazemos, todo o nosso viver deve ser santo ao Senhor. Entretanto, é fato que, assim como fazemos com uma saboneteira, às vezes introduzimos no contexto de nossa vida coisas que não podemos dizer que são santas ao Senhor, e às quais, nem se quisermos muito, podemos santificar.

      

Se você fosse fazer uma lista das coisas erradas que você anda fazendo, que você permite fazer parte do contexto de sua vida, de que tamanho seria essa lista? Não estou falando dos "tropeções" que às vezes damos, mas daquelas coisas que você faz normalmente, sabendo serem erradas, e continua fazendo. Por exemplo, em algum acontecimento súbito você, de repente, sem pensar, diz algo que sabe ser mentira. No mesmo instante você se dá conta do que fez e procura se redimir, principalmente pedindo perdão a Deus. Isso, todos hão de concordar, é diferente de viver tendo a mentira como um estilo de vida, mentindo de maneira premeditada, arquitetada.

 

Quão grande seria a sua lista?!

 

Talvez fosse menor que a minha.

 

Mas, sem importar se a sua lista seria maior ou menor que a minha, o fato é que Deus não nos fez novas criaturas em Cristo Jesus para andarmos por aí com essas sujeiras dentro de nós. Dentro de nós, no contexto de nossa vida, só coisas que possam ser santificadas a Deus, só coisas que não sejam contrarias à Santidade do Deus de cujo Espírito somos o templo.

      

Trabalhemos para e permitamos que, amados, o Espírito de Deus faça uma limpeza em nossas vidas. Permitamos fazer parte de nossa vida apenas coisas que honrem o Deus a quem servimos.

      

Naquele que é Santo e requer dos seus que sejam santos,

 

Pr. Walmir

domingo, 14 de fevereiro de 2010

VOCÊ É UM BOM SOLDADO DE CRISTO?


VOCÊ É UM BOM SOLDADO DE CRISTO?
 
1.    Paulo, em sua segunda carta a Timóteo, lhe diz:
“TU, pois, meu filho, fortifica-te na graça que há em Cristo Jesus. E o que de mim, entre muitas testemunhas, ouviste, confia-o a homens fiéis, que sejam idôneos para também ensinarem os outros. Sofre, pois, comigo, as aflições como bom soldado de Jesus Cristo. Ninguém que milita se embaraça com negócio desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra. E, se alguém também milita, não é coroado se não militar legitimamente. O lavrador que trabalha deve ser o primeiro a gozar dos frutos.” (2 Timóteo 2:1-6 DO)
2.    É comum nos escritos do Apóstolo Paulo o uso de metáforas para melhor expressar a mensagem que ele queria transmitir.
3.    No texto em questão a metáfora é a do soldado.
4.    Timóteo deveria se enxergar como um soldado de Cristo, um bom soldado.
5.    É uma boa metáfora.
6.    Olhando para essa metáfora, para o texto em questão, para o Novo testamento em geral e para nós como soldados de Cristo vamos pensar em quatro pequenas, porém importantes, questões.
I. O bom soldado é aquele que obedece de forma simples e desinteressada ao seu superior, que, no caso, é o Senhor Jesus.
1.    Na Wikipédia, a enciclopédia livre da internet, encontramos sobre a obediência:
A obediência é uma virtude que se define como um comportamento pelo qual um ser aceita as ordens dadas por outro. Obedecer implica, em diverso grau, na subordinação da vontade a uma autoridade, o acatamento de uma instrução, o cumprimento de um pedido ou a abstenção de algo que é proibido.[1]
2.    O bom soldado de Cristo é assim, obediente;
3.    sua vontade é subordinada à vontade de Cristo,
4.    e isso desinteressadamente.
a.    É certo que há bênçãos para esta vida e para a vida além prometidas para quem obedece.
b.    É certo que há promessas (houve especialmente para o povo de Israel) que são condicionais, que dependem da obediência.
c.    Mas o bom soldado de Cristo, ainda que anseie por usufruir das bênçãos prometidas e ainda que espere recebê-las, não as têm como seu objetivo primeiro e muito menos como motivação principal para obedecer.
d.    Se as receber alegrar-se-á muito, porém, se não as receber (as terrenas), não deixará de obedecer por isso.
5.    Esse é um ensino contrário ao que talvez mais se ouve hoje em dia nas igrejas.
6.    O que se ouve muito hoje em dia é que se deve obedecer esperando receber
a.    e se não receber reivindique,
b.    cobre!
c.    Deus é obrigado e lhe dar o que você quer.
7.    Mas o bom soldado obedece,
a.    simplesmente obedece,
b.    desinteressadamente obedece,
c.    e mesmo ainda que não completamente desinteressado, pelo menos não tendo a bênção terrena como objetivo primeiro,
d.    e não se frustra se não recebe.
8.    Veja a oração de Habacuque em 3.17-19:
“17  Porquanto, ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja vacas, 18  todavia, eu me alegrarei no SENHOR, exultarei no Deus da minha salvação. 19  JEOVÁ, o Senhor, é minha força, e fará os meus pés como os das cervas, e me fará andar sobre as minhas alturas” (Habacuque 3:17-19 RC)
9.    Vamos à segunda questão:
II. O bom soldado de Cristo é aquele que está pronto para sofrer
1.    “Sofre, pois, comigo, as aflições de um bom soldado de Cristo”.
2.    Atribui-se a dietrich Bonhoefer o seguinte dizer: “Quando Cristo chama um homem, Ele o convida para vir e morrer”.
3.    Veja Apenas três tipos de sofrer que podem sobrevir ao soldado de Cristo:
a.    Sofrer a realização da obra
                                  i.    A obra de Deus nem sempre é fácil de ser realizada, e às vezes não encontramos em nossa carne nenhuma disposição para realizá-la. Sair de casa no sábado ou no domingo à tarde para evangelizar, debaixo do sol quente? Isso é difícil. Mas é preciso ser feito às vezes. E o que dizer então daqueles que Deus chamou para serem evangelistas, missionários, pastores em lugares que nós nem imaginamos morar algum dia?
                                ii.    Convido você a pensar na grandiosidade e na amplitude da tarefa que Deus nos deixou. Pense, ore por aqueles que estão trabalhando em lugares cujas dificuldades são multiplicadas por fatores os mais diversos e, no que diz respeito a você, enfrente como bom soldado as dificuldades que você encontra para se envolver cada vez mais na obra de Deus.
b.    Sofrer as renúncias exigidas
                                  i.    Você está disposto a renunciar o que for preciso por amor a Cristo?
                                ii.    Muita gente se parece bastante com o jaburu da seguinte história:

Um jaburu (tuiuiú) estava caçando caramujos à beira de um lago quando viu uma belíssima ave descer das alturas. “Quem é você?”, perguntou o jaburu. “Sou um cisne”, respondeu a ave. “E de onde você está vindo?” “Estou vindo do céu”, disse o cisne. “E como é o céu?” perguntou o jaburu. Aí, o cisne fez uma majestosa descrição do céu com suas ruas de ouro e os seus rios de cristal. O jaburu ouviu e depois indagou: “E lá existem caramujos?” “Não”, replicou o cisne. “Então não me interessa”, disse o jaburu. “O de que eu gosto mesmo é dos caramujos.”[2]
                               iii.    E você? Quer o céu ou prefere ficar com os “caramujos”?
c.    Sofrer a oposição ferrenha por parte de fortes inimigos.
                                  i.    Veja Efésios 6.10-18:
“No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo; porque não temos que lutar contra carne e sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes. Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça, e calçados os pés na preparação do evangelho da paz; tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno. Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus, orando em todo tempo com toda oração e súplica no Espírito e vigiando nisso com toda perseverança e súplica por todos os santos” (Efésios 6:10-18 RC)
4.    Passemos adiante, à terceira questão:
III. O bom soldado de Cristo é aquele que está preocupado em equipar-se para a batalha.
1.    Paulo, como disse no início, gostava de usar metáforas para melhor expressar a mensagem que ele queria transmitir, e aqui ele usa a do soldado. Essa figura, por si só, fala de preparação, mas no verso 1 Paulo diz a Timóteo que ele deveria ser continuamente fortalecido na graça que há em Cristo Jesus. Isso é preparação. Trata-se de um fortalecimento, uma preparação do homem interior para se estar preparado para a luta externa e o cumprimento da missão no mundo.
2.    Veja novamente Efésios 6,10-18. Nesse texto Paulo fala também sobre essa preparação.
3.    Uma história, não verídica, apenas ilustrativa, diz-nos que:
Certo marinheiro, tendo naufragado, foi levado pelas ondas até uma ilha desconhecida. Muito cansado, adormeceu junto à praia. Ao acordar, viu-se carregado nos ombros por grande número de nativos que o colocaram em um rústico trono. Sem entender, ele começou a perguntar o que estava acontecendo. A resposta dos nativos foi: "Você será o rei desta ilha durante um ano." Ele gostou muito da ideia. Poderia ter tudo o que quisesse nesse período. Contudo, uma coisa lhe veio à mente: "Onde estão os reis anteriores?" Logo ele descobriu que ao final daquele tempo não haveria competição com outro rei. Simplesmente, como os demais, seria colocado em uma ilha deserta onde sofreria até à morte. É claro que ele não gostou nem um pouco desta parte. Tomou uma decisão e começou a elaborar sua estratégia. Ele escolheu uma ilha de seu agrado e convocou carpinteiros para construírem barcos. Em seguida conclamou fazendeiros para que fossem até aquela ilha e plantassem todo tipo de árvores frutíferas e outras lavouras. Enviou pedreiros e carpinteiros para edificarem casas onde poderia estar abrigado. Finalmente enviou alimentos e pessoas que sabiam confeccionar roupas. No final de seu ano como rei, ele tinha uma bela ilha, bem equipada, onde poderia viver para sempre.[3]
4.    É uma boa história para ilustrar o que temos dito aqui. Aquele marinheiro, sabendo do que estava por vir, preparou-se.
5.    Nós, como soldados de Cristo, sabemos o que poderá nos sobrevir, sabemos das lutas pelas quais poderemos passar, e precisamos estar preparados!
6.    O bom soldado está preocupado em equipar-se, então, dentre outras coisas:
a.    ele estuda a Palavra,
b.    ele ora,
c.    ele busca a comunhão como os irmãos.

7.    E agora, vamos à última questão:
IV. O bom soldado de Cristo, ainda que necessite e delas faça uso, não se prende às coisas desta vida.
1.    Enquanto trabalhava nesse sermão essa semana, buscando ilustrações, li acerca de um episódio na vida de John Wesley que bem cabe aqui como exemplo:
Um dia, quando João Wesley estava longe de sua casa, alguém veio correndo ofegante em sua direção, repetindo monotonamente: - "Sua casa foi destruída por um incêndio! Sua casa foi destruída por um incêndio!" Wesley, entretanto, respondeu: -"Não, não foi; pela simples razão que não tenho casa nenhuma. Aquela em que eu tenho morado já há muito tempo pertence ao Senhor, e se ela pegou fogo, é uma coisa a menos para eu me preocupar!"[4]
2.    Veja o verso 4 – aquele que milita não se embaraça com negócios desta vida.
3.    Imagine um soldado do exército brasileiro servindo no Haiti.
a.    Ele precisa fazer uso da água de lá (a não ser em ocasiões específicas)
b.    Ele precisa fazer uso de alimentos adquiridos lá
c.    Ele precisa de um teto lá (ainda que seja em área militar)
d.    Ele precisa de muitas coisas de lá e fará uso, legitimamente de tais coisas.
4.    Mas será inconcebível, sendo ele brasileiro, tendo que e querendo voltar para cá daí a mais algum tempo, se prender às coisas de lá de uma forma tal que venha atrapalhar a sua missão.
5.    O bom soldado de Cristo faz uso das coisas da terra, mas não se prende a elas de forma que venham atrapalhar sua missão.
6.    De George Mueller se diz que ele,
Numa palavra dirigida a pastores e obreiros após seu 90º aniversário, disse o seguinte sobre sua vida: "Converti-me em novembro de 1825, mas só cheguei a uma plena entrega do coração quatro anos mais tarde, em julho de 1829. O amor ao dinheiro desapareceu; perdi o amor a lugares, a posições, aos prazeres e compromissos com o mundo, e Deus, somente Deus, tornou-se a minha porção. Nele encontrei tudo; não precisei de mais nada. E, pela graça de Deus, isto permaneceu e me tornou muito feliz, extremamente feliz e me levou a me ocupar unicamente das coisas de Deus".[5]
Conclusão
1.    Vamos relembrar?
a.    O bom soldado obedece, simplesmente obedece, desinteressadamente obedece, e mesmo ainda que não completamente desinteressado, pelo menos não tendo a bênção terrena como objetivo primeiro, e não se frustra se não recebe.
b.    O bom soldado de Cristo é aquele que está pronto para sofrer pela causa.
c.    O bom soldado de Cristo é aquele que está preocupado em equipar-se para a batalha.
d.    O bom soldado de Cristo, ainda que necessite e delas faça uso, não se prende às coisas desta vida.
2.    Você é um bom soldado de Cristo?
Pr. Walmir Vigo Gonçalves


[1] Wikipédia
[2] E-book de Sermões e Ilustrações desenvolvido pelo Pr. Walter Pacheco
[3] E-book de Sermões e Ilustrações desenvolvido pelo Pr. Walter Pacheco
[4] E-book de Sermões e Ilustrações desenvolvido pelo Pr. Walter Pacheco
[5] E-book de Sermões e Ilustrações desenvolvido pelo Pr. Walter Pacheco