quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Estudos no Sermão do Monte / parte 37 - É PRECISO OUVIR E PRATICAR

 

É PRECISO OUVIR E PRATICAR

 

(Estudo 37 da série no Sermão do Monte – último da série)

 

1.    No estudo anterior refletimos nos versos 21-23 de Mateus 7, sob o tema "PROFISSÃO DE FÉ FALSA E OBRAS QUE ILUDEM". Pensamos no seguinte:

 

·        Nem toda profissão de fé é verdadeira e uma obra aparentemente cristã pode se revelar um falso demonstrativo da real condição espiritual de uma pessoa.

·        Não é errado dizer "Senhor, Senhor" – todos que pertencem verdadeiramente a Cristo dizem dele "Senhor, Senhor", e entrarão no reino dos céus. Entretanto, nem todos que dizem "Senhor, Senhor", pertencem a Cristo e entrarão do reino dos céus.

·        Todos que hão de herdar o reino de Deus fazem a vontade de Deus e fazem "coisas/obras" que refletem essa vontade. Entretanto, nem todos que fazem coisas que lhes dão uma aparência de estarem fazendo a vontade de Deus a estão fazendo de fato, e estes não herdarão o reino dos céus.

 

2.    Nos versos 24 a 27, Jesus continua na sua aplicação deste sermão, oferecendo-nos uma ilustração para dizer que a Palavra precisar ser:

a.    Ouvida;

b.    Entendida (ele não diz, mas isso é óbvio);

c.    E, acima de tudo, praticada.

3.    Veja o texto:

 

Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha.  E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e não caiu, porque estava edificada sobre a rocha.  E aquele que ouve estas minhas palavras e as não cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia.  E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e caiu, e foi grande a sua queda.” (RC)

 

4.    Entre estes dois homens, o prudente (sábio) e o imprudente (tolo), Existem semelhanças e diferenças:

a.    Semelhanças:

                                  i.    Ambos ouvem a Palavra – Ambos têm acesso à mesma Palavra;

                                ii.    Ambos constroem uma casa – E se a casa representa a vida cristã, ambos constroem uma vida que, olhando "a grosso modo", pode ser chamada de vida cristã (ou, pelo menos, vida religiosa);

                               iii.    Ambos vivenciam intempéries (chuvas, rios que transbordam e ventos)

b.    Diferenças:

                                  i.    Um pratica a Palavra e outro não;

                                ii.    Um constrói sobre fundamento sólido (a Rocha = Cristo e a Palavra de Cristo) e outro sobre a areia;

                               iii.    Um tem a sua casa destruída e outro permanece firme.

 

5.    Jesus não poderia ser mais claro nesta última aplicação do Sermão que ele acabara de pregar.

6.    Durante todo esse tempo em que estamos estudando esse sermão vimos, dentre outras coisas, que aquele que pertence a Deus

a.    É humilde de Espírito, significando isto que ele é alguém que

                                  i.    reconhece que diante de Deus nada é,

                                ii.    reconhece, como disse Dietrich Bonhoefer, a sua falência espiritual,

                               iii.    reconhece o quão nulo é diante de Deus, o quão pobre, o quão miserável é,

                               iv.    e reconhece a sua inteira dependência da misericórdia e da graça de Deus.

b.    É alguém que chora/lamenta o pecado em sua vida bem como na vida das outras pessoas;

c.    É manso, significando isto uma entrega a Deus da vontade pessoal;

d.    Tem fome e sede de Justiça – anelar por ser positivamente santo, por despojar-se do velho homem que se corrompe pelas concupiscências do engano e revestir-se do novo homem que é criado segundo Deus, em verdadeira justiça e santidade.

e.    É misericordioso;

f.      É limpo de coração – tem um coração destituído de hipocrisia;

g.    É um pacificador – alguém que trabalha em prol da paz entre Deus e o homem e entre pessoas;

h.    É alguém que se perseguido for por causa da justiça não se entristece e muito menos desenvolve um espírito rancoroso;

i.      É sal da terra e luz do mundo;

j.      Excede em justiça aos escribas e fariseus;

k.    É alguém que cumpre a lei de não matar, não só no sentido de não cometer homicídio literalmente, mas também no sentido de não nutrir ira em seu coração em relação a outras pessoas; não tratar com desprezo quem quer que seja e não matar com a língua, com palavras abusivas acerca de outras pessoas.

l.      É alguém que procura cumprir a lei de não adulterar, incluindo o adultério na mente e no coração;

m.   É alguém que trata com seriedade a questão do divórcio;

n.    É alguém que procura honrar sua palavra – "sim" é sim e "não" é não – não precisando ficar proferindo juramento a todo instante e em qualquer circunstância;

o.    É alguém cuja "filosofia", vivendo na graça, não é mais a de "olho por olho" e "dente por dente";

p.    É alguém que perdoa;

q.    É alguém que procura amar até aos inimigos, fazer o bem àquele que o odeiam e orar pelos que o maltratam e perseguem;

r.     É alguém que procura viver a vida reta não praticando boas coisas com o intuito de "ser visto pelos homens";

s.    É alguém que está preocupado e ocupado mais em ajuntar tesouros no céu do que na terra;

t.      É alguém que, ao invés de ficar ansioso, demasiadamente preocupado com as coisas necessárias desta vida, confia em seu Pai Celestial;

u.    É alguém que evita o julgamento errado ao outro;

v.     É alguém que "trabalha" pedindo, buscando e batendo, por seu progresso espiritual;

w.   É alguém que "faz aos outros" aquilo que gostaria que os outros lhe fizessem;

x.     É alguém que entra pela porta estreita e trilha pelo caminho apertado;

y.     E por aí vai...

7.    Mas, de que adianta tomar conhecimento de tudo isso se esse conhecimento não fizer nenhuma diferença prática em minha vida?

8.    De que adianta, por exemplo, eu saber que tenho que amar até meus inimigos, fazer o bem aos que me odeiam e orar pelos que me perseguem, e perdoar sempre... se na base da construção de minha casa/vida cristã, eu não incluo isso? Quando vierem os inimigos, os caluniadores, os perseguidores, os que me odeiam e investirem contra mim, o que vai acontecer? Eu vou cair, e será grande a minha queda.

9.    Construir a casa/vida cristã sobre a Rocha, que é Cristo, significa que tudo isso que Jesus nos ensinou deve estar presente na base de nossa construção. Doutra forma cairemos vergonhosamente quando as "intempéries espirituais" investirem contra nós.

10. O homem prudente "ouve e pratica" a Palavra de Jesus.

11. O homem prudente tem os seus ouvidos tapados para as tendências do presente século, para as opiniões de amigos e colegas, para os modismos, para os "achismos" ... e os têm bem abertos para Jesus.

12. O homem prudente permanece de pé, mesmo diante das "intempéries". Já o imprudente... "será grande a sua queda".

 

 

“E aconteceu que, concluindo Jesus este discurso, a multidão se admirou da sua doutrina,  porquanto os ensinava com autoridade e não como os escribas.” (Mateus 7:28-29 RC)

 

Pr. Walmir Vigo Gonçalves – 27 de Outubro de 2013

 

 

 

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Estudos no Sermão do Monte / parte 36 - Profissão de fé falsa e obras que iludem

 

PROFISSÃO DE FÉ FALSA E OBRAS QUE ILUDEM

 

– Nem toda profissão de fé é verdadeira e uma obra aparentemente cristã pode se revelar um falso demonstrativo da real condição espiritual de uma pessoa –

 

(Estudo 36 da série no Sermão do Monte)

 

Mateus 7.21-23

 

“Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no Reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.  Muitos me dirão naquele Dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E, em teu nome, não expulsamos demônios? E, em teu nome, não fizemos muitas maravilhas?  E, então, lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade.” (Mateus 7:21-23 RC)

 

 

I. Dizer "Senhor, Senhor" não é errado – Todos que pertencem verdadeiramente a Cristo dizem dele "Senhor, Senhor", e entrarão no reino dos céus.

 

 

II. Entretanto, nem todos que dizem "Senhor, Senhor", pertencem a Cristo e entrarão do reino dos céus.

 

 

III. Todos que hão de herdar o reino de Deus fazem a vontade de Deus e fazem "coisas/obras" que refletem essa vontade.

 

 

IV. Entretanto, nem todos que fazem coisas que lhes dão uma aparência de estarem fazendo a vontade de Deus a estão fazendo de fato, e estes não herdarão o reino dos céus.

 

Pr. Walmir Vigo Gonçalves

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Estudos no Sermão do Monte / parte 35 - Cuidado com os falsos profetas.

 

CUIDADO COM OS FALSOS PROFETAS

 

Estudo 35 da série no Sermão do Monte

 

clip_image002

“Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores.  Por seus frutos os conhecereis. Porventura, colhem-se uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos?  Assim, toda árvore boa produz bons frutos, e toda árvore má produz frutos maus.  Não pode a árvore boa dar maus frutos, nem a árvore má dar frutos bons.  Toda árvore que não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo.  Portanto, pelos seus frutos os conhecereis.” (Mateus 7:15-20 RC)

 

 

1.    Como dissemos no estudo passado, Jesus chegou a um ponto do Sermão do monte em que ele caminha para a conclusão, fazendo uma aplicação de tudo o que ele acabara de dizer, sendo a primeira: "Entrai pela porta estreita", ou, parafraseando: "Eu sei que essa porta que estou acabando de lhes apresentar é estreita, mas entrem por ela, porque é ela que conduz ao reino celestial, à vida eterna".

2.    Logo após Jesus faz a segunda aplicação, que constitui-se em um alerta para aqueles que estão pensando em entrar por esta porta e trilhar por este caminho:

 

Tomem cuidado com os falsos profetas...

eles vêm disfarçados...

observem os seus frutos.

 

3.    Vamos pensar um pouco sobre isso.

 

I. O FALSO ÀS VEZES SE PARECE COM O VERDADEIRO, MAS CONTINUA SENDO  FALSO APESAR DAS APARÊNCIAS.

 

1.    Bem, disso todo mundo sabe! (Tem alguém aqui que não sabe disso?)

2.    Entretanto, apesar de sabermos, às vezes somos enganados, dadas as semelhanças.

a.    Exemplo: uma cédula de dinheiro falsa às vezes é muito semelhante à original, e não basta uma olhada superficial para se reconhecê-la, é preciso observar alguns detalhes. Portanto, é preciso *cuidado*, *cautela*, para não ser enganado

3.    Por isso é que Jesus diz "acautelai-vos". Eles, os falsos profetas, não vêm vestidos de lobos, eles vêm vestidos de ovelhas – eles se parecem com ovelhas... Eles falam de Deus, eles falam de Jesus, eles falam do Espírito Santo, eles usam a Bíblia, eles pregam e ensinam às vezes muito bem algum determinado assunto que está na Bíblia...

a.    Tutu deu um ótimo exemplo num culto de quarta-feira quando citou alguém que estava a falar muito bem, mas uma de suas falas foi no sentido de se estar cheio "de" Espírito. Tutu o interpelo dizendo corretamente que não é cheio "de", mas cheio "do". Nesse caso essa diferença faz "toda a diferença", e é uma diferença sutil.

4.    "Acautelai-vos", disse Jesus. Nem tudo que parece é! Observem os detalhes. Não tem essa de dizer/pensar (o que, aliás, ouvimos muito) que qualquer pessoa que fale ou em qualquer lugar que se fale de Deus, de Jesus... essa pessoa ou esse lugar é bom... O falso pode se parecer com o verdadeiro, mas continua sendo falso, e é por isso que a muitos que viveram dizendo "Senhor, Senhor", que expulsaram demônios, que profetizaram em nome do Senhor e que fizeram muitas maravilhas, Jesus lhes dirá abertamente: "Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade" (versos 21-23)

 

II. O FALSO, APESAR DE ENSINAR MUITAS COISAS CORRETAMENTE, E ÀS VEZES COM EXCELENTE RETÓRICA, DE FORMA SUTIL ENSINA MUITAS OUTRAS COISAS ERRADAMENTE.

 

1.    Já tivemos ocasião de alertar acerca dos falsos profetas, ou falsos mestres, quando estudamos a segunda carta de Pedro. No capítulo 2.1 Pedro diz o que tais falsos mestres fazem: Introduzem encobertamente heresias de perdição e negam ao Senhor Jesus.

2.    Vimos alguns exemplos de ensinamentos heréticos atuais que, evidenciados da forma como o fazemos aqui não parecem nada sutis, mas que, pelos que os advogam, muito deles são sutilmente "inculcados":

a.    Que Jesus é um ser criado, irmão de Lúcifer;

b.    Que Jesus é um dentre muitos deuses, e de menor importância;

c.    Que a concepção de Jesus se deu através de um ato sexual físico entre o Pai e Maria;

d.    Que Jesus era polígamo;

e.    Que, nas palavras do próprio autor delas: “Quando você diz: “Eu sou cristão”, está dizendo “Sou Messias”, em Hebraico. Em outras palavras, sou um pequeno Messias andando pela terra... Ora, você é um pequeno deus andando pela terra!”

f.     Que, ainda nas palavras do próprio autor: “Jesus Cristo sabia que a única maneira de derrotar Satanás era tomar a natureza deste, para que todos os que têm a natureza de Satanás pudessem compartilhar da natureza divina”

g.    Que Deus é o maior fracasso (Ensino apregoado para defender a tese de que as palavras que dizemos têm poder para trazer bênção ou maldição sobre nós). Veja nas próprias palavras de quem apregoa isto: “Fiquei chocado ao descobrir quem é realmente o maior fracasso na Bíblia... O maior fracasso é Deus. Quero dizer: Ele perdeu a sua primazia com o anjo mais elevado; com 1/3 dos anjos; com o primeiro homem por Ele criado; na terra inteira e tudo que nela existe... Isso  é perder demais, gente! Pois, a razão de não sabermos que Deus é um fracasso é que Ele nunca falou isso. Ninguém é um fracasso até que diga que o é.”

h.    Vejam parte de um texto que recebi, enquanto trabalhava no sermão em 2 Pedro (14/06/2011 – para a Igreja Batista no Parque Imperatriz – Foz do Iguaçu). O texto todo é recheado de “coisas estranhas”, mas eu vou colocar aqui apenas um pequeno trecho. Em uma parte o autor diz que estava pensando em determinado tema encontrado na Bíblia e, em suas palavras: Uma luz (insight  isto é, um “poder de discernimento e compreensão das coisas; um conhecimento intuitivo repentino para a solução de um problema”) se acendeu dentro de mim, quando me veio ao espírito uma idéia...”. E depois, mais adiante, fazendo parte de sua “idéia”, ele diz: Esse novo modo de me aproximar, com ARREPENDIMENTO e FÉ, da CRUZ DE CRISTO, me faz entender que é Deus quem pede PERDÃO, primeiramente. É Deus quem PEDE, humildemente, licença para entrar em minha vida (Ap 3:20). Faz-me entender plenamente porque que é que é Deus-Trino quem toma a iniciativa de PEDIR minha vida, de me revelar que é Ele, primeiramente, que PRECISA DE MIM, que precisa que eu O perdoe no pedido de perdão Dele feito na Cruz, para que eu conheça seu pleno Amor e receba Seu pleno Perdão.

i.      Em outro texto o mesmo sujeito diz: É o momento em que ajudamos as pessoas na escalada do monte Gólgota (Caveira), para um encontro com o CRISTO CRUCIFICADO. Acontecem escorregões e desistências, mas, retomamos a subida até o alto do Calvário, quando as pessoas, tão feridas e revoltadas, conseguem escutar o CORDEIRO Jesus dizer: “EU ESTOU AQUI MORRENDO PARA LHE DIZER QUE MEU PAI NÃO QUERIA NENHUM DESSES SOFRIMENTOS PARA SEUS PAIS E PARA VOCÊ. HOUVE UMA FALHA INICIAL DO LADO HUMANO DO PAI, FALHA QUE ESTAMOS REPARANDO AQUI NA CRUZ. ACEITE NOSSO ARREPENDIMENTO E PEDIDO DE DESCULPAS, PARA FAZER AS PAZES COM DEUS-PAI, COM SEUS PAIS/AVÓS E CONSIGO MESMA”.

 

Obs. Aqui não cito fonte e quem disse tais coisas, mas para quem quiser vê-las:

http://www.igrejabatistaemmuqui.blogspot.com.br/2012/09/ii-pedro-parte-34-os-falsos-mestres.html

 

3.    Isso é só “a ponta do iceberg”. Há, e daqui pra frente veremos e ouviremos muita coisa estranha à Palavra de Deus ainda. Precisamos realmente nos acautelarmos.

4.    Mas, se por um lado há aquilo que é ensinado por falsos profetas e que é ensino errado acerca do qual devemos nos acautelar, por outro lado há aquilo que é, com sutileza, deixado de ensinar.  E esse é o nosso próximo tópico:

 

III. O FALSO, PORQUE NÃO CRÊ, OU POR OUTROS INTERESSES, DEIXA DE ENSINAR ALGUMAS COISAS FUNDAMENTAIS.

 

1.    Lloyd-Jones destaca nesta palavra de Jesus a questão do disfarce, da sutileza. O falso profeta é perigoso por causa da sua sutileza, e sua sutileza manifesta-se, dentre outros, no fato de ele não ensinar, ou pelo menos não ensinar devidamente, aquilo que deveria ser ensinado e reensinado por ser algo fundamental contido na Palavra de Deus. E ele assim o faz porque ele mesmo não crê ou porque não atende a seus objetivos.

2.    Todas as doutrinas bíblicas, todos os ensinamentos bíblicos, têm sido alvo de falsos profetas, mas no contexto imediato dessa parte do Sermão do Monte, o ensinamento que muitas vezes tem sido "atacado" é o da necessidade de se entrar por uma porta estreita e caminhar por um caminho apertado.

3.    O falso profeta, a serviço de seus interesses pessoais ou de sua descrença quanto a muito, se não tudo, do que diz a Palavra de Deus não ensinará que se deve entrar por uma porta estreita e trilhar por um caminho apertado; e se ensinar pelo menos esforçar-se-á para que a porta não seja tão estreita e nem o caminho tão apertado. Obviamente que eu não estou autorizado a fazer a porta mais estreita e o caminho mais apertado do que eles já são, mas também não sou autorizado a alargá-los. Entretanto, a estratégia hoje é "facilitar"...

a.    ... porque se não "facilitar" a pessoa não vem pra igreja;

b.    ... porque se não "facilitar" a pessoa não fica na igreja;

c.    ... porque se não "facilitar" a igreja não enche.

                                  i.    Está certo isso? Precisamos facilitar para as pessoas virem, ficarem e a igreja encher? Obviamente que não!

                                ii.    Mas isso não significa que não podemos ter uma igreja cheia. Podemos ter! Uma igreja cheia de pessoas que entraram pela porta estreita e estão trilhando pelo caminho apertado há de ser uma bênção! Precisamos pensar, se não temos, no porque não temos. Será que é porque as pessoas não estão dispostas a entrar pela porta estreita ou será que é porque nós estamos no "caminho largo" no que respeita à evangelização destas pessoas, "folgados", "nem aí" para a perdição das almas delas. Precisamos pensar!

4.     Nas palavras de Lloyde-Jones:

 

O profeta falso é o indivíduo que não inclui as ideias da "porta estreita" e do "caminho apertado" na sua mensagem. Ele nada apresenta de realmente ofensivo para o homem natural; mas procura agradar a todos. Exibe-se "disfarçado de ovelha", e mostra-se tão atrativo, tão amável, tão agradável de ser admirado. Sua mensagem é tão suave, consoladora e confortadora! Ele agrada a todos, e todos falam bem dele. Jamais é perseguido por causa de sua pregação, e nunca é severamente criticado por causa da mesma. É elogiado igualmente pelos liberais, pelos modernistas, e também pelos evangélicos e por todos os demais. Nesse mau sentido, ele é tudo para todos; em sua mensagem não há o aspecto da "porta estreita", e nem o aspecto do "caminho apertado", e nele nada transparece do " ... escândalo da cruz ... " (Gálatas 5: 11).

 

5.    Se você ainda não entrou e considera entrar pela porta estreita, cuidado para que ninguém o desvie dela. Jesus disse que é ela a porta do verdadeiro cristianismo, é ela a porta que conduz à vida eterna.

 

Muqui, Outubro de 2013

Pr. Walmir Vigo Gonçalves