sexta-feira, 27 de agosto de 2010

GOVERNADOS PELA LEI DO AMOR.

GOVERNADOS PELA LEI DO AMOR.

 

1.    Ler 1 João 3.11-18

2.    A história a seguir foi contada por M. McGavock Woodward:

 

"As arquibancadas do estádio de uma Universidade estavam repletas de estudantes durante uma renhida partida de futebol. No intervalo do jogo, um garoto de uns oito anos, imiscuindo-se por entre a turba, anunciava a venda de saquinhos de pipocas. Esse garoto, levando um esbarro, teve o seu cesto entornado, espalhando-se pelo chão os saquinhos de pipocas. O menino começou a chorar, enquanto recolhia, penosamente, a sua mercadoria. Um senhor bondoso, aproximando-se o ajudou a recolher as pipocas espalhadas, colocando-as no seu cesto. Ao término do trabalho, o menino virou-se para o gentil cavalheiro, e, com comovente ternura, perguntou:

O senhor é meu tio?

Não! – respondeu o homem.

Por que me pergunta?

Bem, porque eu tenho um tio que é crente e ele sempre ajuda os outros.[1]

 

3.    Não é incomum que muita gente pense que as pessoas bondosas que auxiliam aos necessitados sejam crentes em Jesus.

4.    No estudo anterior vimos sobre a relação do filho de Deus com o pecado, e enfatizamos que o filho de Deus, ainda que seja um pecador, não vive na prática do pecado, e, se alguém vive na prática do pecado, vive para o pecado, esse tal não é filho de Deus.

5.    Com respeito ao amor, a relação do filho de Deus para com ele é a de ser governado por ele.

6.    Essa é a mensagem da palavra de Deus.

7.    Toda a lei se resume em amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos.

8.    Nos versículos que propusemos para o estudo de hoje, João fala exatamente sobre o amor, e, baseados nas palavras de João, vamos pensar um pouquinho sobre esse tema tão importante para a vida cristã.

 

I. Uma mensagem antiga.

 

1.    No versículo 11 João diz: "Porque esta é a mensagem que ouvistes desde o princípio: que nos amemos uns aos outros." (1 João 3:11 RC)

2.    Não era nenhuma novidade para aqueles crentes, para quem João estava escrevendo esta epístola, que eles deveriam amar uns aos outros. A mensagem do amor não era nova, era antiga, era a mensagem que eles "... ouviram desde o princípio"

a.    Jesus havia pregado o amor.

                                  i.    Em João 13:34 e 35 estão registradas as seguintes palavras de Jesus: "Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis. Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros." (João 13:34-35 RC).

                                ii.    Em Mateus 5:43 – 46 Jesus chega a dizer que até os inimigos (humanos, é claro) devem ser objetos do amor dos crentes: "Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo e aborrecerás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem, para que sejais filhos do Pai que [está] nos céus; porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons e a chuva desça sobre justos e injustos. Pois, se amardes os que vos amam, que galardão tereis? Não fazem os publicanos também o mesmo?" (Mateus 5:43-46 RC)

 

b.    A própria lei se resumia no amor: "E os fariseus, ouvindo que ele fizera emudecer os saduceus, reuniram-se no mesmo lugar. E um deles, doutor da lei, interrogou-o para o experimentar, dizendo: Mestre, qual é o grande mandamento da lei? E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, [é:] Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Desses dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas." (Mateus 22:34-40 RC)

c.    Não sei se eles já haviam ouvido, mas Paulo ensinava que o caminho mais excelente que existe é o caminho do amor: "Entretanto, procurai, com zelo, os melhores dons. E eu passo a mostrar-vos ainda um caminho sobremodo excelente. Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o bronze que soa ou como o címbalo que retine. Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios e toda a ciência; ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de transportar montes, se não tiver amor, nada serei. E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me aproveitará." (1 Coríntios 12:31-13:3 RA) / "Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém o maior destes é o amor." (1 Coríntios 13:13 RA)

d.    Paulo também ensinava que o amor faz parte do fruto que o Espírito produz na vida dos crentes: "Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei." (Gálatas 5:22-23 RA)

3.    Não era uma mensagem nova, esta do amor. Era uma mensagem antiga e exaustivamente ensinada tanto por Jesus quanto por seus apóstolos.

4.    Agora, se essa mensagem não era nova para eles que viviam no primeiro século da era cristã, quanto mais para nós que estamos vivendo no vigésimo primeiro século da mesma era!!!???

5.    Porém, ainda assim, a igreja ainda tem enfrentado problemas nessa área.

6.    Precisamos aprender a ouvir e obedecer aos ensinamentos da Palavra de Deus, principalmente no que concerne ao amor, a maior, a mais excelente de todas as virtudes.

7.    Vai chegar o dia em que não precisaremos mais da esperança, e nem da fé, mas o amor permanece para sempre.

 

II. Uma prova de que somos salvos.

 

1.    O versículo 14 nos informa: "Nós sabemos que já passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos; aquele que não ama permanece na morte." (1 João 3:14 RA)

2.    O amor funciona como uma espécie de comprovante, uma espécie de carteira de identidade celestial...

3.    Jesus também ensinou isso quando disse aos seus discípulos: "Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros." (João 13:35 RA)

4.    Numa certa ocasião o sábio rei Salomão se viu diante de um impasse.

a.    Leiamos 1 Reis 3:16-23 para vermos qual foi esse impasse.

b.    Agora leiamos o restante, até o versículo 27, para vermos como Salomão resolveu esse impasse.

c.    Salomão aplicou a lei do amor.

d.    Foi o amor que identificou a mãe verdadeira, foi o amor que identificou qual das mulheres fazia parte da família daquela criança.

5.    Nós sabemos que passamos da morte para a vida porque amamos uns aos outros.

6.    As pessoas nos reconhecem como discípulos de Jesus porque olham para nós e vêem o amor presente entre nós.

7.    É isso que ensina a Palavra de Deus!

8.    Mas a palavra de Deus também ensina que se a alguém falta o amor, esse ainda está morto, ainda não foi salvo, ainda não faz parte da família de Deus.

9.    Salomão descobriu quem não era a mãe do menino, quem não fazia parte da família do pequenino quando em uma das mulheres viu que faltava o amor pela criança, consentindo ela em que o mesmo fosse cortado ao meio e repartido entre as duas.

10. Você ama a seus irmãos na fé?

11. Amamo-nos uns aos outros?

12. "Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor." (1 João 4:8)

 

III. A demonstração do amor precisa ultrapassar as meras palavras.

 

1.    Os versículos 17 e 18 dizem: "Ora, aquele que possuir recursos deste mundo, e vir a seu irmão padecer necessidade, e fechar-lhe o seu coração, como pode permanecer nele o amor de Deus? Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas de fato e de verdade." (1 João 3:17-18 RA)

2.    "Conta-se que dois amigos judeus certa vez travavam a seguinte conversa:

 

-          Dize-me, amigo Ivan, amas-me?

-          Amo-te, e muito!

-          Sabes, amigo, o que me dói?

-          Como posso saber o que te dói?

-          Se não sabes o que me dói, como podes dizer que me amas?

 

3.    O amor verdadeiro procura diligentemente saber o que dói ao outro, e em seguida, toma providências.

4.    Sartre tinha razão: "O amor suja as mãos!".[2]

5.    Alguém disse muito acertadamente que o mundo rejeita a nossa declaração de amor, porque o que ele quer é demonstração de amor.

                       

CONCLUSÃO

 

1.    Por que lei temos sido governados?

2.    O crente precisa ser governado pela lei do amor da mesma forma como Jesus foi governado por essa lei.

3.    Jesus disse: "Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros." (João 13:34 RA) e "O meu mandamento é este: que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei." (João 15:12 RA)

4.    Lembre-se: Quem não ama não o conhece, pois Deus é amor.

5.    Para encerrar, vejam o que recebi pela internet sob o título "Amor na Latinha":

 

"Um fato real, dois irmãozinhos maltrapilhos, provenientes da favela - um deles de cinco anos e o outro de dez, iam pedindo um pouco de comida pelas casas da rua que beira o morro. Estavam famintos: 'vai trabalhar e não amole', ouvia-se detrás da porta; 'aqui não há nada moleque...', dizia outro... As múltiplas tentativas frustradas entristeciam as crianças... Por fim, uma senhora muito atenta disse-lhes: 'Vou ver se tenho alguma coisa para vocês... coitadinhos!' E voltou com uma latinha de leite. Que festa! Ambos se sentaram na calçada. O menorzinho disse para o de dez anos: 'você é mais velho, tome primeiro...e olhava para ele com seus dentes brancos, a boca semi-aberta, mexendo a ponta da língua'. Eu, como um tolo, contemplava a cena... Se vocês vissem o mais velho olhando de lado para o pequenino...! Leva a lata à boca e, fazendo gesto de beber, aperta fortemente os lábios para que por eles não penetre uma só gota de leite. Depois, estendendo a lata, diz ao irmão: 'Agora é sua vez. Só um pouco.' E o irmãozinho, dando um grande gole exclama: 'como está gostoso!' 'Agora eu', diz o mais velho. E levando a latinha, já meio vazia, à boca, não bebe nada. 'Agora você', 'Agora eu', 'Agora você', 'Agora eu'... E, depois de três, quatro, cinco ou seis goles, o menorzinho, de cabelo encaracolado, barrigudinho, com a camisa de fora, esgota o leite todo... ele sozinho. Esse 'agora você', 'agora eu' encheram-me os olhos de lágrimas... E então, aconteceu algo que me pareceu extraordinário. O mais velho começou a cantar, a sambar, a jogar futebol com a lata de leite. Estava radiante, o estômago vazio, mas o coração trasbordante de alegria. Pulava com a naturalidade de quem não fez nada de extraordinário, ou melhor, com a naturalidade de quem está habituado a fazer coisas extraordinárias sem dar-lhes maior importância. Daquele moleque nós podemos aprender a grande lição, 'quem dá é mais feliz do que quem recebe.' É assim que nós temos de amar. Sacrificando-nos com tal naturalidade, com tal elegância, com tal discrição, que os outros nem sequer possam agradecer-nos o serviço que nós lhe prestamos." [3]



[1] OLIVEIRA, Moysés Marinho de – "Manancial de Ilustrações", p. 29, 30 - JUERP

[2] Fonte não identificada

[3] Recebido pela internet – sem fonte

A RELAÇÃO DO FILHO DE DEUS COM O PECADO.

A RELAÇÃO DO FILHO DE DEUS COM O PECADO.

 

1.    No estudo anterior vimos, olhando para 1 João 3.1-3 1que "Agora Somos Filhos de Deus", e o somos não por mérito pessoal, mas porque Ele em Seu amor nos concedeu esta bênção.

2.    Vimos que ser filho de Deus é algo maravilhoso, porque significa, dentre outras coisas,

a.    ser novamente aceito pelo Pai

b.    ter a posição de

                                  i.    cidadão do céu

                                ii.    membro de um sacerdócio santo e real

                               iii.    membro da família de Deus

                               iv.    membro de um povo de propriedade exclusiva de Deus

c.    significa ser co-herdeiro, com Cristo, de uma herança indescritível

3.    Mas ser filho de Deus traz também grandes responsabilidades sobre nós, como por exemplo a responsabilidade de lidarmos de forma correta para com o pecado.

4.    Qual deve ser a relação do filho de Deus para com o pecado?

5.    É sobre isso que estaremos pensando hoje, e, para tal, vamos ler 1 João 3.4-10.

6.    O texto está abaixo, em três versões diferentes.

a.    Versão Revista e Corrigida: "Qualquer que comete o pecado também comete iniqüidade, porque o pecado é iniqüidade. E bem sabeis que ele se manifestou para tirar os nossos pecados; e nele não há pecado. Qualquer que permanece nele não peca; qualquer que peca não o viu nem o conheceu. Filhinhos, ninguém vos engane. Quem pratica justiça é justo, assim como ele é justo. Quem comete o pecado é do diabo, porque o diabo peca desde o princípio. Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo. Qualquer que é nascido de Deus não comete pecado; porque a sua semente permanece nele; e não pode pecar, porque é nascido de Deus. Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo: qualquer que não pratica a justiça e não ama a seu irmão não é de Deus."

b.    Versão Revista e Atualizada: "Todo aquele que pratica o pecado também transgride a lei, porque o pecado é a transgressão da lei. Sabeis também que ele se manifestou para tirar os pecados, e nele não existe pecado. Todo aquele que permanece nele não vive pecando; todo aquele que vive pecando não o viu, nem o conheceu. Filhinhos, não vos deixeis enganar por ninguém; aquele que pratica a justiça é justo, assim como ele é justo.  Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo.  Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus.  Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo: todo aquele que não pratica justiça não procede de Deus, nem aquele que não ama a seu irmão."

c.     Versão da Bíblia na Linguagem de Hoje: "Quem peca é culpado de quebrar a lei de Deus, porque o pecado é a quebra da lei. Vocês já sabem que Cristo veio para tirar os pecados e que ele não tem nenhum pecado. Assim, quem vive unido com Cristo não continua pecando. Porém quem continua pecando nunca o viu e nunca o conheceu. Minhas filhinhas e meus filhinhos, não deixem que ninguém os engane. Aquele que faz o que é correto é correto, assim como Cristo é correto. Quem continua pecando pertence ao Diabo porque o Diabo peca desde a criação do mundo. E o Filho de Deus veio para isto: para destruir o que o Diabo tem feito. Quem é filho de Deus não continua pecando, porque a vida que Deus dá permanece nele. E ele não pode continuar pecando, porque Deus é o seu Pai. A diferença clara que existe entre os filhos de Deus e os filhos do Diabo é esta: Quem não faz o que é certo ou não ama o seu irmão não é filho de Deus."

 

        NOTA – Esta nota se refere à diferença encontrada nas diferentes versões com respeito à prática do pecado aqui nesse texto. A versão ARC diz que "aquele que permanece nele não peca"; já a ARA diz "não vive pecando", e a BLH diz "não continua pecando". Todas estão certas, sendo que a tradução mais literal é a da ARC, mas o sentido é o de uma prática contínua do pecado. Isso acontece porque no grego a frase vem vazada no tempo presente e dá a idéia de uma ação contínua. E isso concorda também com o contexto do livro como um todo, pois, se assim não fosse, como explicaríamos os versículos 8-10 do capítulo 1 ?

 

7.    Vejamos, em primeiro lugar, sobre:

I.              A natureza do pecado.

 

1.    Sobre o pecado várias coisas já sabemos. Algumas ênfases que podemos dar sobre o mesmo:

a.    Ele nunca abandona o pecador, e só pode ser removido pelo sangue de Jesus Cristo;

b.    Ele cresce e se multiplica;

c.    Ele é maléfico e perverso e separa o homem de Deus, levando-o, finalmente, à destruição.

2.    Algumas ênfases extraídas de Champlin[1]:

a.    "O pecado é cósmico em sua natureza. Nenhum ser humano peca sozinho. O pecado sempre fará parte de uma rebelião cósmica contra Deus e contra a retidão. O oitavo versículo enfaticamente assevera que aquele que pratica o pecado é do diabo. Esse ser maligno é intitulado de "o deus deste mundo" (II Co. 4:4), e muitos são seus súditos e escravos. Será necessária uma providência cósmica para remover o pecado, e o julgamento tomará conta disso".

b.    "Mas o pecado também é pessoal. Embora as forças satânicas forneçam a agitação (ver Ef. 6:11 e ss.), o indivíduo é responsável pelas suas ações, e, portanto, ele é convocado a arrepender-se. O homem não pode alterar o quadro cósmico, mas pode pessoalmente ser redimido {mediante arrependimento e fé}".

c.    "Sem importar se cósmico ou pessoal, o fato é que o pecado é, definidamente, uma questão de rebeldia."

3.    O pecado é algo muito mais sério do que normalmente pensamos. Trata-se de uma rebelião, tendo o próprio diabo como companheiro de batalha, contra Deus.

4.    Mas o nosso tema no presente estudo versa sobre a relação do filho de Deus com o pecado. Então, vejamos, em segundo lugar que:

 

II.            O filho de Deus não vive na prática do pecado.

 

1.    O versículo nove diz isso com uma clareza incontestável:

 

"Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus. (RA)

 

2.    Mas o versículo não somente diz que o filho de Deus não vive na prática do pecado, como também diz o motivo: a semente de Deus permanece nele e ele é nascido de Deus. Isso quer dizer que ele possui a natureza divina. Ele nasceu de novo, da água e do Espírito, e sua natureza foi mudada.

3.    Há nesse versículo uma metáfora biológica fantástica. A palavra que foi traduzida aqui por semente vem do grego "sperma".

4.    Sabemos que o sperma leva os gens do homem que, combinados com os da mulher, vão determinar as características da pessoa que vai nascer.

5.    Os filhos de Deus possuem os Seus "gens", possuem a Sua natureza, e por isso não podem viver na prática do pecado.

6.    Essa é uma figura tremenda que o Espírito de Deus usa aqui para nos transmitir essa grandiosa verdade.

7.    Isso nos leva a uma terceira questão:

 

III.           Se alguém vive na prática do pecado, esse tal não é filho de Deus.

 

1.    Essa é uma conclusão óbvia e muito séria também, pois o texto deixa bem claro que, nesse sentido só existem duas classes de pessoas: os filhos de Deus e os filhos do diabo. Quem não é filho de Deus é filho do diabo.

2.    "A idéia de falsos irmãos, derivados de satanás, encontra uma expressão análoga no apelo de Inácio aos Efésios, no sentido de que 'nenhuma planta do diabo seja encontrada em vós'. Encontramos uma declaração mais completa dessas idéias em João 8:44 e seu contexto, onde Jesus assevera acerca de seus adversários:

 

Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira. (João 8:44 RA)..."[2]

 

Conclusão

 

1.    A relação dos filhos de Deus com o pecado é, então, uma relação de completo desafeto, desamor.

2.    O filho de Deus deve repudiar o pecado com todas as suas forças.

3.    João já havia dito, em 2:15-17:

 

"Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele;  porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo.  Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente." (1 João 2:15-17 RA)

 

4.    O filho de Deus deve permanecer em Cristo, e, sendo assim, por ser Cristo impecável, o filho de Deus não pode e não viverá na prática do pecado.

5.    Ele peca, não há dúvida, mas não vive dominado pelo princípio do pecado.

6.    Quem vive sob esse domínio é porque ainda não é filho de Deus.

 

Pr. Walmir Vigo Gonçalves



[1] CHAMPLIN, R. N. – 'O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo' . Volume 6, 10 ª reimpressão. São Paulo – SP, Editora Candeia, 1998.  666 p.  Nota extraída da p. 257

[2] Ibid., p. 259, citando Hoon

AGORA SOMOS FILHOS DE DEUS!

AGORA SOMOS FILHOS DE DEUS!

 

1.    Texto bíblico: "Vede que grande amor nos tem concedido o Pai, a ponto de sermos chamados filhos de Deus; e, de fato, somos filhos de Deus. Por essa razão, o mundo não nos conhece, porquanto não o conheceu a ele mesmo. Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é. E a si mesmo se purifica todo o que nele tem esta esperança, assim como ele é puro." (1 João 3:1-3 RA)

2.    Lucas 19:1-10 registra a história da conversão de Zaqueu, o publicano.

a.    Eu posso imaginar Zaqueu chegando em casa, muito mais radiante do que de costume, causando um grande espanto em sua esposa e filhos (se é que ele tinha esposa e filhos).

b.    Posso imaginar Zaqueu fazendo a conta de suas posses e separando uma parte para cumprir o que houvera dito em relação aos pobres e àqueles a quem ele havia defraudado.

c.    Sua esposa, então, naturalmente, lhe pergunta o que ele está fazendo, e, ao ouvir a resposta, pergunta o porquê, e então, ouve de Zaqueu: "É porque agora eu sou um filho de Deus de verdade".

3.    Os irmãos já pararam para pensar sobre o que significa ser filho de Deus?

4.    Feche os seus olhos, pense o mais profundo que você puder sobre isso, e, pensando, diga em voz alta: "AGORA EU SOU UM FILHO DE DEUS".

5.    Somos filhos de Deus porque Deus nos adotou como Seus filhos.

6.    Ele também está nos transformando na mesma imagem de Seu Filho Jesus, e nos purificando de tudo o que nos identifica com o mundo, para que sejamos um povo de Sua exclusiva propriedade.

7.    Comecemos então por pensar neste fato:

 

I. SOMOS FILHOS DE DEUS.

 

1.    João diz isso enfaticamente.

2.    A versão Almeida Revista e Corrigida não registra a ênfase, mas a Revista e Atualizada registra.

3.    Depois de dizer: "Vede que grande amor nos tem concedido o Pai, ao ponto de sermos chamados filhos de Deus...", João acrescenta: "... e, de fato, somos filhos de Deus".

4.    Todo mundo quer ser filho de Deus.

5.    Não é raro ouvirmos pessoas afirmando que todos somos filhos de Deus.

6.    Isso é tão arraigado em nosso pensamento e querer, que às vezes falamos sobre o assunto sem sequer pensar no mesmo.

7.    Não são poucas as vezes que eu já ouvi pessoas que estavam se preparando para receber, ou para se dar, ou para viver algo bom, afirmando: "Afinal, eu também sou filho de Deus!".

8.    É verdade que, em certo sentido, todos somos filhos de Deus.

9.    Todos somos filhos de Deus por criação.

10. Mas ser filho só porque foi criado pelo Pai, não é ser filho em todo o seu sentido, não é ser filho de verdade.

11. A Bíblia deixa claro que o verdadeiro filho de Deus é aquele que nasceu de novo, porquanto recebeu o Senhor Jesus em sua vida. Veja:

a.    João 1:12 – "Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome"

b.    Romanos 8:14 – "Pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus."

c.    Gálatas 3:26 – "Pois todos vós sois filhos de Deus mediante a fé em Cristo Jesus"

12. Diante disso, vejamos:

 

a.    O que significa ser filho de Deus.

 

1.    Ser filho de Deus significa ser novamente aceito pelo Pai: (Contar a história do filho que queria voltar para casa mas não sabia se seu pai iria aceitá-lo, e pediu para que lhe desse um sinal: um pano branco na árvore em frente da casa.

a.    A história do filho pródigo também nos mostra esse fato.

b.    Vejamos alguns textos bíblicos:

                                  i.    "... Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da reconciliação.  De sorte que somos embaixadores em nome de Cristo, como se Deus exortasse por nosso intermédio. Em nome de Cristo, pois, rogamos que vos reconcilieis com Deus.  Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus." (2 Coríntios 5:19-21 RA)

                                ii.    "Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor"(Colossenses 1:13 RA)

2.    Ser filho de Deus significa ter a posição de:

a.    Cidadão do céu: "Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo" (Filipenses 3:20 RA)

b.    Membro de um sacerdócio santo e real: "também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo" (1 Pedro 2:5 RA)

"Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz" (1 Pedro 2:9 RA)

c.    Membro da família de Deus: "Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus" (Efésios 2:19 RA)

d.    Membro de um povo de propriedade exclusiva de Deus: "Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz" (1 Pedro 2:9 RA)

3.    Ser filho de Deus significa ser co-herdeiro, com Cristo, de uma herança indescritível: "Ora, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo; se com ele sofremos, também com ele seremos glorificados". (Romanos 8:17 RA)

4.    Ser filho de Deus tem um significado tão grande que é-nos impossível expressá-lo em toda a sua extensão, mas o coração de todo o significado está no fato de que podemos gozar de uma comunhão tão íntima com Ele, a ponto de podermos exclamar: "Aba, Pai!": "Porque não recebestes o espírito de escravidão, para viverdes, outra vez, atemorizados, mas recebestes o espírito de adoção, baseados no qual clamamos: Aba, Pai" (Romanos 8:15 RA)

 

b.    Só somos filhos de Deus porque Ele, em Seu amor, nos concedeu essa bênção.

 

1.    João deixa isso bem claro no texto, e essa é uma verdade cristalina em toda a Escritura.

a.    Foi Deus quem tomou a iniciativa da reconciliação: "Ora, tudo provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação,  a saber, que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da reconciliação. (2 Coríntios 5:18-19 RA)

b.    É o Espírito de Deus que nos convence do pecado: "Mas eu vos digo a verdade: convém-vos que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não virá para vós outros; se, porém, eu for, eu vo-lo enviarei.  Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo: (João 16:7-8 RA)

c.    É Deus quem efetua em nós tanto o querer quanto o realizar: "porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade". (Filipenses 2:13 RA)

d.    Não poderíamos ir a Cristo se o Pai não nos tivesse levado: "Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia". (João 6:44 RA)

e.    Foi Deus quem nos escolheu, e é Ele quem nos guarda salvos, nos faz perseverar: "Vocês foram escolhidos de acordo com o propósito de Deus, o Pai. E pelo Espírito de Deus vocês foram feitos um povo dedicado a ele a fim de obedecerem a Jesus Cristo e ficarem purificados pelo seu sangue. Que vocês tenham, mais e mais, a graça e a paz de Deus!" (1 Pedro 1:2 BLH) – "Essas bênçãos são para vocês que, por meio da fé, são guardados pelo poder de Deus para a salvação que está pronta para ser revelada no fim dos tempos". (1 Pedro 1:5 BLH)

 

c.    O Mundo não conhece os filhos de Deus, porque não conhece a Deus.

 

1.    "Tenho-vos dito estas coisas para que não vos escandalizeis. Eles vos expulsarão das sinagogas; mas vem a hora em que todo o que vos matar julgará com isso tributar culto a Deus.  Isto farão porque não conhecem o Pai, nem a mim." (João 16:1-3 RA)

2.    Isto que Jesus disse no versículo acima aconteceu com os seus, e continua acontecendo, e vai continuar até o fim.

3.    Quem pensa que no Brasil a perseguição aos filhos de Deus não acontece é porque está um pouco por fora da realidade.

4.    Comecemos a pregar, a profetizar, a alvoroçar o nosso bairro, e veremos muitos, até conhecidos nossos, virando-nos as costas, e alguns até odiando-nos.

5.    Isso acontece, porque o mundo não nos conhece e nem conhece ao Pai.

 

6.    Em segundo lugar, a bíblia nos diz que, por sermos filhos de Deus...

 

II. SEREMOS SEMELHANTES A CRISTO NA SUA VINDA.

 

1.    Perguntaram certa vez a um homem qual era o seu maior desejo, e ele respondeu: - "O meu maior desejo é ser cada vez mais parecido com Jesus".

2.    João falou que isso vai acontecer, e outros textos também falam sobre isso:

a.    "Porquanto aos que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos." (Romanos 8:29 RA)

b.    "E, assim como trouxemos a imagem do que é terreno, devemos trazer também a imagem do celestial." (1 Coríntios 15:49 RA)

c.    "E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito." (2 Coríntios 3:18 RA)

3.    O que exatamente isso significa, em toda a sua extensão, talvez só saberemos quando Cristo voltar.

4.    Mas a Bíblia exorta-nos a já, em virtude desse fato, irmo-nos purificando a nós mesmos, assim como ele é puro. Dessa forma, o padrão de pureza que a Bíblia nos apresenta não é Pedro, João ou Paulo, e, sim, o próprio Cristo.

5.    Temos que nos purificar a nós mesmos, ou deixar que Cristo nos purifique, porque vivemos na companhia de Cristo.

6.    Quando eu preparava este estudo, um hino estava tocando no rádio, e uma das frases do mesmo dizia o seguinte: "Quem anda com o Santo tem que ser santo também".

7.    Ser puro é ser separado das coisas que não agradam a Deus.

8.    Ebard, citado por Champlin em O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo, diz: "Não purificar-se alguém a si mesmo é equivalente a dizer a Deus: 'Não quero a jóia que me ofereces ante os meus olhos, como a mais preciosa jóia que me prometes dar um dia – ser livre do pecado. Não dou valor a essa jóia."

9.    E Longstaff escreveu um hino que é citado na mesma obra. O hino diz:

 

Separa tempo para te santificares, fala sempre com o Senhor;

Permanece sempre nele e alimenta-te de Sua Palavra

Faz amigos dos filhos de Deus; ajuda aos fracos;

Em nada te esqueças de buscar a sua bênção.

 

Separa tempo para te santificares, o mundo se apressa;

Passa muito tempo em segredo, sozinho com Jesus;

Olhando para Jesus, serás como ele, finalmente;

Teus amigos, em tua conduta, verão sua semelhança

 

10. E o próprio Champlin escreve: "A santidade deve ser cultivada. Vem em resultado da aplicação dos 'meios espirituais' para sua obtenção, como a busca feita pela alma, o treinamento do intelecto, o contacto com o Espírito Divino, mediante a oração e a meditação, a busca e o uso dos dons espirituais".

 

CONCLUINDO

 

1.    Diné é filho de um falecido pastor de Cachoeiro de Itapemirim. Ele canta muito bem, e é bem conhecido nas igrejas daquela cidade. Um dia, ele estava no seminário onde eu estudava, e eu me aproximei dele e, para iniciar uma conversa, disse, cheio de boas intenções: Esse é o Diné, o filho do pastor Davi! Então ele me disse: "Eu não quero ser conhecido por ser filho do pastor Davi, e sim por minhas próprias qualidades!".

2.    Eu quase fiquei sem graça, mas não me importei muito. Hoje, pensando nisso, imagino que se eu chegasse e dissesse: Esse é o Diné, filho de Deus! Ele responderia: Amém!

3.    Nós somos filhos de Deus, e isso é maravilhoso.

4.    Desde o momento que recebemos o Senhor Jesus em nosso coração, ele nos deu também o poder de sermos feitos filhos de Deus em toda a plenitude do que isso significa.

 

AGORA SOMOS FILHOS DE DEUS.

ALELUIA!!!

 

Pr. Walmir Vigo Gonçalves