terça-feira, 9 de agosto de 2011

ANTES E AGORA

ANTES” E “AGORA”

– ou: quem era “do mundo”, mas agora é “do céu” –

Assim lemos em Efésios 5.8-10: “Porque, noutro tempo, éreis trevas, mas, agora, sois luz no Senhor; andai como filhos da luz..., aprovando o que é agradável ao Senhor.” (Efésios 5:8-10 RC)

Conta-se que quando a rainha Vitória passava o verão no castelo de Balmoral, costumava, disfarçada para não ser reconhecida, fazer longas caminhadas pelas propriedades rurais das redondezas. Em uma de suas caminhadas ela pediu a um criado que a acompanhasse à distância. Numa determinada estrada ela deparou-se com um rebanho de ovelhas conduzido por um camponês, o qual, preocupado com uma possível debandada dos animais, gritou nervoso: “Saia da estrada, velha estúpida!”. A rainha sorriu, e, sem nada dizer, escondeu-se à beira da estrada. Quando o seu criado chegou perto do irritado condutor das ovelhas, informou-lhe que aquela senhora era a rainha da Inglaterra. E o moço ficou constrangido, mas replicou: “Por que ela não se veste como uma rainha?”[1]

Essa história serve para lembrar aos crentes de quem eles são e como devem se apresentar perante o mundo. À rainha Vitória não era reprovável fazer alguns passeios disfarçada de camponesa. Mas a um crente, apresentar-se (agir) como um incrédulo sempre será reprovável, e, de certa forma, é exatamente disso que Paulo trata neste ponto de sua carta aos efésios.

Meu irmão, antes você era “do mundo”, mas agora você é “do céu”. Viva então como quem é “do céu” e não como quem é “do mundo”.

· Quem é “do céu” honra a Deus e às coisas que dizem respeito a Deus.

· Quem é “do céu” ama como Jesus amou – ama até mesmo aos seus inimigos (Mateus 5.48);

· Quem é “do céu” perdoa e faz bem a quem o odeia e ora pelos que o maltratam e perseguem (Mateus 5.48);

· Quem é “do céu” anda a segunda milha (Mateus 5.41);

· Quem é “do céu” oferece a outra face (Mateus 5.39);

· Quem é “do céu” busca em primeiro lugar o reino e a justiça de Deus (Mateus 6.33);

· Quem é “do céu” refreia a sua língua e não maldiz, não vive a fofocar e a dizer palavras torpes (Tiago 1.26);

· Quem é “do céu” está ligado a Cristo e dá bons frutos (João 15);

· Quem é “do céu” manifesta o fruto do Espírito que se caracteriza pelo amor, pela alegria, pela paz, pela longanimidade, pela benignidade, pela bondade, pela fidelidade, pela mansidão e pelo domínio próprio (Gálatas 5.22 e 23).

· Quem é “do céu” busca as “coisas que são de cima” (Colossenses 3.1);

· Quem é “do céu” pensa nas “coisas que são de cima” (Colossenses 3.2)

· Quem é “do céu” se despe – ou se deixa despir – de tudo aquilo que não é do céu e se reveste – ou se deixa revestir – de tudo aquilo que é do céu (Colossenses 3)

· Quem é “do céu” está “assentado nos lugares celestiais, em Cristo Jesus”, ao contrário daquele que é “do mundo” e que por ser ainda “do mundo” está “morto em suas ofensas e pecados” (Efésios 2.1ss.)

· E coisas semelhantes a estas que encontramos nas Sagradas Escrituras.

Meu amado irmão, quem é “do céu” é assim transformado e santificado por Cristo e para Cristo mediante a ação do Espírito Santo.

Diante disso concluo esse editorial lhe perguntando e desafiando: você é “do céu”? Se é, viva de acordo com o “céu”; se ainda não é, pode ser, arrependendo-se de seus pecados e entregando sua vida a Jesus.

Naquele que, sendo “do céu”, viveu e morreu entre nós, mas ressuscitou e ao céu voltou pra nos fazer cidadãos “de lá”,

Walmir Vigo Gonçalves (Pr.)

Parque Imperatriz – Foz do Iguaçu – Agosto de 2011


[1] Walter Baxendale, citado por Moysés Marinho de Oliveira em “Manancial de Ilustrações” – JUERP

Nenhum comentário:

Postar um comentário