quarta-feira, 23 de junho de 2010

UM PÃO PARA AS MULTIDÕES

UM PÃO PARA AS MULTIDÕES

 

Pr. Walmir Vigo Gonçalves

 

Fontes de consulta: 1) Comentário Bíblico Broadman, volume 9 e 2) Estudo Sobre a Palavra de Deus / Lucas-João, de J. N. Darby

 

"Disse-lhes, pois, Jesus: Na verdade, na verdade vos digo que Moisés não vos deu o pão do céu, mas meu Pai vos dá o verdadeiro pão do céu. Porque o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo. Disseram-lhe, pois: Senhor, dá-nos sempre desse pão. E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome; e quem crê em mim nunca terá sede." (João 6:32-35 RC)

 

1.    Era chegado o dia em que os judeus comemoravam a Páscoa.

a.    Jesus estava com seus discípulos junto ao Mar da Galiléia [ou Mar de Tiberíades (v.1)].

b.    Uma grande multidão o seguia, em virtude dos sinais que o haviam visto fazer, na cura de enfermos (v.2).

c.    Jesus sobe, então, a um monte, junto com seus discípulos, e, por palavra e ação, começa a trazer uma grande revelação sobre ele mesmo: ele era o doador de um pão singular, um pão de natureza celestial, um pão para satisfazer não as necessidades físicas do homem, e, sim, as espirituais. E mais: Ele não apenas era o doador, como também era a própria dádiva, isto é, ele próprio era o pão que daria aos homens.

2.    Para fazer esta revelação, Jesus:

a.    Realiza um grande milagre;

b.    Deixa que as pessoas o procurem querendo mais do fruto do milagre;

c.    Faz questionamentos e os deixa falar também, encaixando de maneira extraordinária os seus argumentos, a sua revelação sobre quem ele realmente era e o que viria a fazer num futuro bem próximo, e também o que eles deveriam fazer.

3.    Vamos estudar este texto, algumas partes do capítulo, com bastante atenção, pois o que Jesus disse para eles, finalmente, é o mesmo que diz para nós hoje.

 

Em primeiro lugar, atentemos para O MILAGRE.

 

1.    O milagre é bem conhecido por nós, e está narrado a partir do v. 5, até o 14:

 

"5  Então, Jesus, levantando os olhos e vendo que uma grande multidão vinha ter com ele, disse a Filipe: Onde compraremos pão, para estes comerem? 6  Mas dizia isso para o experimentar; porque ele bem sabia o que havia de fazer. 7  Filipe respondeu-lhe: Duzentos dinheiros de pão não lhes bastarão, para que cada um deles tome um pouco. 8  E um dos seus discípulos, André, irmão de Simão Pedro, disse-lhe: 9  Está aqui um rapaz que tem cinco pães de cevada e dois peixinhos; mas que é isso para tantos? 10  E disse Jesus: Mandai assentar os homens. E havia muita relva naquele lugar. Assentaram-se, pois, os homens em número de quase cinco mil. 11  E Jesus tomou os pães e, havendo dado graças, repartiu-os pelos discípulos, e os discípulos, pelos que estavam assentados; e igualmente também os peixes, quanto eles queriam. 12  E, quando estavam saciados, disse aos seus discípulos: Recolhei os pedaços que sobejaram, para que nada se perca. 13  Recolheram-nos, pois, e encheram doze cestos de pedaços dos cinco pães de cevada, que sobejaram aos que haviam comido. 14  Vendo, pois, aqueles homens o milagre que Jesus tinha feito, diziam: Este é, verdadeiramente, o profeta que devia vir ao mundo." (João 6:5-14 RC)

 

2.    Prestemos atenção em algumas coisas neste texto:

a.    O que Jesus passaria a fazer era planejado, premeditado (v.6);

b.    Para perguntar sobre onde adquirir pães para alimentar a multidão, Jesus se dirige a Filipe, certamente porque Filipe era daquelas proximidades e conhecia bem a região (João 1:43-44). Mas isso não é tão importante quanto o que Filipe revela: eles não tinham dinheiro suficiente para comprar pães para tanta gente.

c.    Para piorar a situação, André, que, ao que tudo indica, andou sondando para ver quem tinha trazido "merenda", veio trazendo a notícia de que encontrara apenas um rapaz que havia trazido o que comer.

3.    Situação difícil, não?!

4.    Os resultados humanos eram desanimadores, mas é nesse momento que Jesus realiza o grande milagre.

5.    Ele tomou os pães e os peixes, toda a refeição daquele rapaz, deu graças, e depois distribuiu entre eles, e todos se fartaram e ainda restaram doze cestos cheios de pedaços.

6.    Jesus é mesmo maravilhoso!!!

7.    Seríamos muito mais bem aventurados se deixássemos em suas mãos todas as situações de nossa vida!

8.    E também seríamos muito mais bem aventurados se, como aquele rapaz, oferecêssemos a Jesus tudo o que temos.

9.    Para todos, crentes ou não, Jesus, com o milagre, principia uma grande revelação sobre si mesmo. Mais tarde, quando eles sentissem fome de novo, e buscassem a Jesus, Jesus os instruiria a trabalhar pelo pão celestial, a buscar o pão que não perece, que é ele mesmo, um pão, um só, mas suficiente para todas as multidões de todas as épocas, o Pão da vida.

 

Em segundo lugar, atentemos para A FONTE DO PÃO DA VIDA.

 

1.    Vejamos o texto:

 

"25  E, achando-o no outro lado do mar, disseram-lhe: Rabi, quando chegaste aqui? 26  Jesus respondeu e disse-lhes: Na verdade, na verdade vos digo que me buscais não pelos sinais que vistes, mas porque comestes do pão e vos saciastes. 27  Trabalhai não pela comida que perece, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do Homem vos dará, porque a este o Pai, Deus, o selou. 28  Disseram-lhe, pois: Que faremos para executarmos as obras de Deus? 29  Jesus respondeu e disse-lhes: A obra de Deus é esta: que creiais naquele que ele enviou. 30  Disseram-lhe, pois: Que sinal, pois, fazes tu, para que o vejamos, e creiamos em ti? Que operas tu? 31  Nossos pais comeram o maná no deserto, como está escrito: Deu-lhes a comer o pão do céu. 32  Disse-lhes, pois, Jesus: Na verdade, na verdade vos digo que Moisés não vos deu o pão do céu, mas meu Pai vos dá o verdadeiro pão do céu. 33  Porque o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo. 34  Disseram-lhe, pois: Senhor, dá-nos sempre desse pão." (João 6:25-34 RC)

 

2.    Todos haviam se fartado com o pão que Jesus multiplicara. Após isso, Jesus retirou-se sozinho. Não voltou mais, e seus discípulos foram pra Cafarnaum.

3.    No dia seguinte, aquela multidão também vai para Cafarnaum à procura de Jesus. Encontram-no, e a primeira palavra de Jesus a eles foi uma repreensão (vejam os versículos 26 e 27 no texto acima).

4.    Eles haviam "jantado", e agora queriam o "café da manhã".

5.    Jesus começa então a abrir-lhes os olhos para o quão perecível é o alimento terreno (bem como tudo o que é terreno). E Jesus os instrui a trabalhar, a buscar a comida que permanece para a vida eterna.

6.    Observem agora os versículos 28 e 29 do texto acima – a "obra" a ser realizada é crer em Jesus.

7.    Observem ainda os seguintes versículos:

 

"Os seus discípulos... admiraram-se muito, dizendo: Quem poderá, pois, salvar-se? E Jesus, olhando para eles, disse-lhes: Aos homens é isso impossível, mas a Deus tudo é possível." (Mateus 19:25-26 RC).

 

8.    Nada há que o homem possa fazer, a não ser crer naquele que Deus enviou: Jesus!

a.    Você tem duzentos denários? Não bastam!

b.    Você tem alguns pães e alguns peixes? Nesse caso, também não bastam!

c.    Você tem condições de conseguir alguns bilhões de dólares, algumas toneladas de alimentos, resolver por completo o problema da fome mundial, bem como da pobreza? Não basta!!!

d.    SÓ JESUS PODE PROPICIAR AQUILO QUE PERMANECE!

e.    Pedro diz que não é com prata e nem ouro que conseguimos pagar o resgate da nossa alma; só existe uma maneira de pagar: com o sangue que Cristo derramou na cruz, e isso ninguém tem, a não ser ele, só ele! E ele não vende prá ninguém, mesmo porque ninguém teria condições de comprar uma gota sequer, e nem o dá prá ninguém como forma de premiar um mérito, mesmo porque ninguém tem condições de fazer algo tão grande que o torne merecedor, e, ademais, diante de Deus, todas as nossas justiças são como trapos de imundícia. Ele só o dá de graça, para que ninguém tenha de quê se gloriar em sua presença!

9.    A fonte do Pão da vida é o próprio Pão da vida, ou seja, Jesus!

 

Em terceiro lugar, atentemos para o que o texto nos revela sobre A NATUREZA DO PÃO DA VIDA.

 

1.    Vejamos os seguintes versículos:

 

"35  E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome; e quem crê em mim nunca terá sede. 36  Mas já vos disse que também vós me vistes e, contudo, não credes. 37  Tudo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora. 38  Porque eu desci do céu não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. 39  E a vontade do Pai, que me enviou, é esta: que nenhum de todos aqueles que me deu se perca, mas que o ressuscite no último Dia. 40  Porquanto a vontade daquele que me enviou é esta: que todo aquele que vê o Filho e crê nele tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último Dia. 41  Murmuravam, pois, dele os judeus, porque dissera: Eu sou o pão que desceu do céu. 42  E diziam: Não é este Jesus, o filho de José, cujo pai e mãe nós conhecemos? Como, pois, diz ele: Desci do céu? 43  Respondeu, pois, Jesus e disse-lhes: Não murmureis entre vós. 44  Ninguém pode vir a mim, se o Pai, que me enviou, o não trouxer; e eu o ressuscitarei no último Dia. 45  Está escrito nos profetas: E serão todos ensinados por Deus. Portanto, todo aquele que do Pai ouviu e aprendeu vem a mim. 46  Não que alguém visse ao Pai, a não ser aquele que é de Deus; este tem visto ao Pai. 47  Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim tem a vida eterna. 48  Eu sou o pão da vida. 49  Vossos pais comeram o maná no deserto e morreram. 50  Este é o pão que desce do céu, para que o que dele comer não morra. 51  Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer desse pão, viverá para sempre; e o pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo." (João 6:35-51 RC)

 

2.    Antes de Jesus revelar-lhes ser ele o Pão do qual falava, aquelas pessoas lhe pediram: Dá-nos sempre desse pão!

3.    Jesus, então, passa a fazer-lhes uma grande revelação, a revelação sobre a natureza do Pão da vida, da comida não perecível, do verdadeiro sustento espiritual.

4.    Esse pão não era um pão feito de trigo ou cevada, esse pão tinha uma natureza pessoal, esse pão era uma pessoa, esse pão era o próprio Jesus, um pão para saciar-lhes não a fome física, mas a fome espiritual.

           

Em quarto lugar, atentemos para algo muito importante: O RECEBIMENTO DO PÃO DA VIDA.

 

1.    Vejamos mais uma parte do texto:

 

"52  Disputavam, pois, os judeus entre si, dizendo: Como nos pode dar este a sua carne a comer? 53  Jesus, pois, lhes disse: Na verdade, na verdade vos digo que, se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós mesmos. 54  Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último Dia. 55  Porque a minha carne verdadeiramente é comida, e o meu sangue verdadeiramente é bebida. 56  Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim, e eu, nele. 57  Assim como o Pai, que vive, me enviou, e eu vivo pelo Pai, assim quem de mim se alimenta também viverá por mim. 58  Este é o pão que desceu do céu; não é o caso de vossos pais, que comeram o maná e morreram; quem comer este pão viverá para sempre. 59  Ele disse essas coisas na sinagoga, ensinando em Cafarnaum. 60  Muitos, pois, dos seus discípulos, ouvindo isso, disseram: Duro é este discurso; quem o pode ouvir? 61  Sabendo, pois, Jesus em si mesmo que os seus discípulos murmuravam a respeito disso, disse-lhes: Isto vos escandaliza? 62  Que seria, pois, se vísseis subir o Filho do Homem para onde primeiro estava? 63  O espírito é o que vivifica, a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos disse são espírito e vida. 64  Mas há alguns de vós que não crêem. Porque bem sabia Jesus, desde o princípio, quem eram os que não criam e quem era o que o havia de entregar. 65  E dizia: Por isso, eu vos disse que ninguém pode vir a mim, se por meu Pai lhe não for concedido." (João 6:52-65 RC)

 

2.    Agora Jesus chega ao auge da questão: O Pão da vida que ele tem e oferece é ele mesmo, é a sua carne, que eles deveriam "comer". 

3.    Essa revelação gera um alvoroço, mas Jesus reforça o que acabara de dizer, falando-lhes que eles deveriam não só "comer" a sua carne, mas também "beber" o seu sangue, ou não teriam a vida eterna.

4.    Muitos abandonam a Jesus sem entender o que ele estava dizendo (certamente alguns o entenderam depois).

5.    Estaria Jesus propondo a eles um ato de canibalismo? Não! Jesus estava falando de sua morte.

6.    Eles teriam que se alimentar espiritualmente, pela fé, da morte de Jesus.

7.    Estando estabelecida a fé na sua morte vicária, permanecer-se-ia nele (v.56).

8.    Em outras palavras, Jesus estava ensinando que é necessário receber a sua morte como sendo a nossa morte, é necessário receber o Messias morto.

9.    É óbvio que Cristo não permaneceu morto. Ele venceu a morte, ele ressuscitou, mas é-nos necessário reconhecer a sua morte, e reconhecê-la como um sacrifício "vicário".

10. Deus disse, por intermédio de Isaías: "Ele levou sobre si as nossas dores. O castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados".  

11. Precisamos crer na sua morte como sendo o meio de Deus para a nossa salvação.

12. Precisamos receber o Messias morto e ressuscitado.

13. Quero encerrar este ponto com I Coríntios 1:18-24:

 

"Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus. Porque está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios e aniquilarei a inteligência dos inteligentes. Onde está o sábio? Onde está o escriba? Onde está o inquiridor deste século? Porventura, não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo?  Visto como, na sabedoria de Deus, o mundo não conheceu a Deus pela sua sabedoria, aprouve a Deus salvar os crentes pela loucura da pregação.  Porque os judeus pedem sinal, e os gregos buscam sabedoria;  mas nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus e loucura para os gregos.  Mas, para os que são chamados, tanto judeus como gregos, lhes pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus." (RC)

 

Conclusão

 

1.    Quero concluir esta mensagem dizendo:

a.    Jesus é o Pão da vida;

b.    só ele é o Pão da vida;

c.    é um só, mas suficiente para tantos quantos o quiserem.

d.    Só Jesus pode salvar.

e.    No versículo 68 deste mesmo capítulo de João, depois de considerada a possibilidade de os discípulos mais íntimos de Jesus dele também se afastarem, Pedro responde perguntando e afirmando: "Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna" (João 6:68 RC)

           

            Que Deus vos abençoe!

Pr. Walmir Vigo Gonçalves

Nenhum comentário:

Postar um comentário