sexta-feira, 15 de outubro de 2010

JESUS É DEUS.

JESUS É DEUS.

O presente estudo visa apresentar algumas provas bíblicas da divindade de Jesus e a compreensão de alguns textos bíblicos de que alguns se utilizam para tentar provar o contrário.

 

 

Também sabemos que o Filho de Deus é vindo e nos tem dado entendimento para reconhecermos o verdadeiro; e estamos no verdadeiro, em seu Filho, Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna. (1 João 5:20 RA)

 

1.    No decorrer dos tempos muitos grupos religiosos têm surgido que negam a divindade de Jesus.

2.    Dentre eles, o mais conhecido entre nós são os Testemunhas de Jeová.

3.    Mas a Bíblia traz uma quantidade suficientemente grande de provas para se crer nessa verdade.

4.    Terminando essa série de Sermões em I João, quero apenas fornecer provas bíblicas de que Jesus é Deus, e como tal, deve ser honrado por nós da mesma maneira como honramos o Pai.

5.    Vamos a elas:

 

Algumas provas bíblicas da divindade de Jesus

 

1.    O Salmo 68:18 fala sobre Deus: Subiste às alturas, levaste cativo o cativeiro; recebeste homens por dádivas, até mesmo rebeldes, para que o SENHOR Deus habite no meio deles. (Salmos 68:18 RA)

 

Paulo, escrevendo aos Efésios, liga esse texto a Jesus Cristo: e a graça foi concedida a cada um de nós segundo a proporção do dom de Cristo. Por isso, diz: Quando ele subiu às alturas, levou cativo o cativeiro e concedeu dons aos homens. (Efésios 4:7-8 RA)

 

2.    Isaías profetizou sobre um que prepararia o caminho do Senhor (Jeová): Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do SENHOR; endireitai no ermo vereda a nosso Deus. (Isaías 40:3 RA)

 

Mateus 3:3 diz que esse que prepararia o caminho de Jeová era João Batista: Porque este é o referido por intermédio do profeta Isaías: Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas. (Mateus 3:3 RA)

 

E João Batista deixa claro que o caminho de quem ele estava preparando era o caminho de Jesus: É este a favor de quem eu disse: após mim vem um varão que tem a primazia, porque já existia antes de mim. (João 1:30 RA)

 

3.    O Salmo 102:25-27 fala do Senhor (Jeová), de Seu poder Criador e de Sua eternidade: Em tempos remotos, lançaste os fundamentos da terra; e os céus são obra das tuas mãos. Eles perecerão, mas tu permaneces; todos eles envelhecerão como uma veste, como roupa os mudarás, e serão mudados. Tu, porém, és sempre o mesmo, e os teus anos jamais terão fim. (Salmos 102:25-27 RA)

 

Esta mesma mensagem é aplicada a Cristo, em Hebreus 1.1-12: Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo.  Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas, tendo-se tornado tão superior aos anjos quanto herdou mais excelente nome do que eles.  Pois a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei Pai, e ele me será Filho?  E, novamente, ao introduzir o Primogênito no mundo, diz: E todos os anjos de Deus o adorem.  Ainda, quanto aos anjos, diz: Aquele que a seus anjos faz ventos, e a seus ministros, labareda de fogo; mas acerca do Filho: O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre; e: Cetro de eqüidade é o cetro do seu reino.  Amaste a justiça e odiaste a iniqüidade; por isso, Deus, o teu Deus, te ungiu com o óleo de alegria como a nenhum dos teus companheiros.  Ainda: No princípio, Senhor, lançaste os fundamentos da terra, e os céus são obra das tuas mãos;  eles perecerão; tu, porém, permaneces; sim, todos eles envelhecerão qual veste;  também, qual manto, os enrolarás, e, como vestes, serão igualmente mudados; tu, porém, és o mesmo, e os teus anos jamais terão fim. (Hebreus 1:1-12 RA)

 

4.    No texto abaixo, Isaías 45:18-23, o Senhor (Jeová) está falando. Veja a conclusão de sua fala: Porque assim diz o SENHOR, que criou os céus, o Deus que formou a terra, que a fez e a estabeleceu; que não a criou para ser um caos, mas para ser habitada: Eu sou o SENHOR, e não há outro.  Não falei em segredo, nem em lugar algum de trevas da terra; não disse à descendência de Jacó: Buscai-me em vão; eu, o SENHOR, falo a verdade e proclamo o que é direito.  Congregai-vos e vinde; chegai-vos todos juntos, vós que escapastes das nações; nada sabem os que carregam o lenho das suas imagens de escultura e fazem súplicas a um deus que não pode salvar.  Declarai e apresentai as vossas razões. Que tomem conselho uns com os outros. Quem fez ouvir isto desde a antiguidade? Quem desde aquele tempo o anunciou? Porventura, não o fiz eu, o SENHOR? Pois não há outro Deus, senão eu, Deus justo e Salvador não há além de mim.  Olhai para mim e sede salvos, vós, todos os limites da terra; porque eu sou Deus, e não há outro.  Por mim mesmo tenho jurado; da minha boca saiu o que é justo, e a minha palavra não tornará atrás. Diante de mim se dobrará todo joelho, e jurará toda língua. (Isaías 45:18-23 RA)

 

Paulo, escrevendo aos Filipenses, afirma que isto acontecerá com Jesus: Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai. (Filipenses 2:9-11 RA)

 

Paulo está aí citando Isaías. Agora, será que Paulo, um experiente rabino treinado no hebraico original do Antigo Testamento, cometeria o erro de mudar o locutor de "mim" (Jeová) para Jesus? Certamente que não, do que se deduz que Paulo cria e ensinava ser Jesus Deus, o Jeová do Antigo Testamento.

 

5.    Zacarias 14:9 diz que o Senhor (Jeová) será Rei sobre toda a terra: O SENHOR será Rei sobre toda a terra; naquele dia, um só será o SENHOR, e um só será o seu nome. (Zacarias 14:9 RA)

 

Apocalipse 19:6 concorda com Zacarias, ao dizer que o Todo-Poderoso reina: Então, ouvi uma como voz de numerosa multidão, como de muitas águas e como de fortes trovões, dizendo: Aleluia! Pois reina o Senhor, nosso Deus, o Todo-Poderoso. (Apocalipse 19:6 RA)

 

Mas Apocalipse 20:4 diz que cristo Reina: Vi também tronos, e nestes sentaram-se aqueles aos quais foi dada autoridade de julgar. Vi ainda as almas dos decapitados por causa do testemunho de Jesus, bem como por causa da palavra de Deus, tantos quantos não adoraram a besta, nem tampouco a sua imagem, e não receberam a marca na fronte e na mão; e viveram e reinaram com Cristo durante mil anos. (Apocalipse 20:4 RA)

 

6.    Em Isaías 48:12-13 Deus se apresenta como o primeiro e último: Dá-me ouvidos, ó Jacó, e tu, ó Israel, a quem chamei; eu sou o mesmo, sou o primeiro e também o último.  Também a minha mão fundou a terra, e a minha destra estendeu os céus; quando eu os chamar, eles se apresentarão juntos. (Isaías 48:12-13 RA)

 

Em Apocalipse 22:13-16, Jesus é o primeiro e o último: Eu sou o Alfa e o Ômega, o Primeiro e o Último, o Princípio e o Fim.  Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestiduras [no sangue do Cordeiro], para que lhes assista o direito à árvore da vida, e entrem na cidade pelas portas.  Fora ficam os cães, os feiticeiros, os impuros, os assassinos, os idólatras e todo aquele que ama e pratica a mentira.  Eu, Jesus, enviei o meu anjo para vos testificar estas coisas às igrejas. Eu sou a Raiz e a Geração de Davi, a brilhante Estrela da manhã. (Apocalipse 22:13-16 RA)

 

7.    O Nosso versículo inicial, 1 João 5.20, e os textos abaixo afirmam explicitamente a divindade de Jesus: No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. (João 1:1 RA) / ... porquanto, nele, habita, corporalmente, toda a plenitude da Divindade. (Colossenses 2:9 RA)

 

É interessante o fato de que na Bíblia Tradução Novo Mundo não está escrito que o Verbo era Deus, mas "um deus" (com d minúsculo). O fato é que eles crêem assim. Jeová é "O Deus" e Jesus é "um deus". Eles crêem que Jesus é Deus, mas um Deus menor; ele é o "deus poderoso", mas Jeová é o "Deus TODO – poderoso". Isso eu tenho ouvido bastante nos últimos dias. Mas o que é isso? Não será isso politeísmo? E o que diz o próprio Jeová acerca disso? Veja em Isaías 44.6, 8, 5.5, 14-15.

 

Se Jesus não é o Jeová do Antigo Testamento, então podemos e devemos rasgar o Novo Testamento. Mas nós sabemos e cremos que ele o é. Os Tjs, entretanto, que não crêem, deveriam abandonar de vez o Novo Testamento.

 

8.    Sabemos que Deus é o Criador, mas os textos abaixo mostram Jesus como Criador: Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez. (João 1:3 RA)

Este é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele.  Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste. (Colossenses 1:15-17 RA)

 

9.    A Onipresença é um atributo de Deus exclusivo de Deus, mas os textos abaixo mostram Jesus como Onipresente: ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século. (Mateus 28:20 RA)

Ora, ninguém subiu ao céu, senão aquele que de lá desceu, a saber, o Filho do Homem que está no céu. (João 3:13 RA)

 

10. Os textos abaixo mostram a Onipotência de Jesus, outro atributo de Deus: Ao anjo da igreja em Filadélfia escreve: Estas coisas diz o santo, o verdadeiro, aquele que tem a chave de Davi, que abre, e ninguém fechará, e que fecha, e ninguém abrirá: (Apocalipse 3:7 RA)

Jesus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra. (Mateus 28:18 RA)

 

11. Jesus é apresentado como eterno: Agora, ajunta-te em tropas, ó filha de tropas; por-se-á sítio contra nós; ferirão com a vara a face do juiz de Israel. E tu, Belém-Efrata, pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá, de ti me sairá o que há de reinar em Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade. (Miquéias 5:1-2 RA)

Jesus Cristo, ontem e hoje, é o mesmo e o será para sempre. (Hebreus 13:8 RA)

 

12. Sabemos que Deus é o Senhor, mas vejam o que dizem estes textos sobre Jesus: para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai. (Filipenses 2:10-11 RA)

... antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós, (1 Pedro 3:15 RA)

 

===== // =====

 

Há muitos outros textos que provam a divindade de Jesus, mas, por hora, vamos ficar só com estes, que já são suficientes para esclarecer às nossas mentes, sem deixar qualquer sombra de dúvidas, que JESUS É DEUS!

 

Entretanto, vejamos também, a partir daqui:

 

Alguns textos que precisamos compreender.

 

1.    Há alguns trechos que as Tjs usam, que precisamos compreender, já que os que citamos e muitos outros nos mostram inequivocamente que Jesus é Deus.

2.    Esses trechos são trechos que ouvi muito nos últimos dias em conversa com alguém dos Tjs. Vamos a eles:

 

a.    Apocalipse 3.14: "... ao anjo da igreja que está em Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus."

 

A grande questão aqui é a frase "princípio da criação de Deus". No ensinamento da STV (Sociedade Torre de Vigia), isso quer dizer que Jesus, na sua existência pré-humana, foi a primeira das criações invisíveis de Deus, porque, segundo eles, a palavra grega traduzida aqui por "princípio" (a palavra arch arché) significa "o primeiro de uma série". Entretanto, apesar de essa palavra em alguns casos poder realmente indicar a primeira pessoa ou coisa numa série, ela é utilizada para indicar também "aquilo pelo qual algo começa a ser, o principiador, a causa ativa de algo a partir de um ponto inicial no tempo" e também "o primeiro em termos de posição, aquele que ocupa lugar de primazia ou preeminência, reinado, magistrado, principado". Há muitos exemplos que podemos citar, dos quais cito apenas três, que são bem claros em nosso próprio vernáculo:

 

è "Vós tendes por pai ao diabo e quereis satisfazer os desejos de vosso pai; ele foi homicida desde o princípio (arché) e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira." (João 8:44 RC) – Será que o texto está dizendo que o diabo já foi criado assim ou que ele é o principiador, a causa ativa destas coisas a partir de um ponto inicial no tempo?

 

è "como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando (arché) a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos, depois, confirmada pelos que a ouviram;" (Hebreus 2:3 RC) – Cristo é aquele que principiou o anúncio do evangelho.

 

è "Admoesta-os a que se sujeitem aos principados (arché) e potestades, que lhes obedeçam e estejam preparados para toda boa obra" (Tito 3:1 RC) – Os arché aqui são os que governam, os que ocupam lugar de preeminência.

 

Além de na Bíblia, encontramos essa palavra em escritos históricos da época do Novo Testamento, muitas vezes para indicar a causa primária de algo. Champlin nos informa que

 

dentro da filosofia grega, comum nos escritos de Platão, o termo grego 'arché' é usado para indicar a causa primária, ou seja, aquilo que começa outras coisas, a origem delas, o poder criador. Nos escritos de Josefo, C. Ap. 2, 190, Deus é chamado de Arché... (no sentido de A Causa Primária)

 

Diante disso, irmãos, diante dessas possibilidades, qual seria a maneira mais correta de interpretarmos apocalipse 3.14?

 

A maneira mais correta é aquela que vai nos dar um entendimento que não entra em conflito com o contexto bíblico geral. Se arché significasse unicamente "o primeiro de uma série, ou o primeiro a ser criado", sem nenhuma outra possibilidade ou aplicação, então teríamos que traduzir assim e teríamos diante de nós um conflito que nos obrigaria a deixar de lado, rasgarmos de nossa bíblia, no mínimo esse versículo de Apocalipse, porque temos, e já vimos, uma série de textos, alguns deles do próprio João, que demonstram Jesus Cristo ser Deus.

 

E se é assim, então, com toda a certeza, João, o mesmo que disse que Jesus é Deus, o mesmo que disse claramente que Jesus é o Alfa e o ômega, o Princípio e o Fim, está aqui a nos dizer com esse versículo, que Jesus é o princípio não no sentido de ser ele o primeiro a ser criado, como querem os TJs, mas no sentido de ser ele aquele pelo qual a criação começou a ser, o principiador, a causa ativa da criação a partir de um ponto inicial no tempo, aquele que é a causa de todas as coisas não sendo ele mesmo causado por ninguém.

 

E não é isso que João diz logo no início de seu evangelho? Veja:

 

"No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez." (João 1:1-3 RC)

 

Vamos a outro texto, um bastante usado:

 

b.    Provérbios 8.22: "O SENHOR me possuiu no princípio de seus caminhos e antes de suas obras mais antigas." (RC) ou, numa outra tradução: "O Senhor me criou como a primeira das suas obras, o princípio dos seus feitos mais antigos"

 

Esse trecho está falando sobre a sabedoria. As Testemunhas de Jeová argumentam que Jesus é esta sabedoria. Eu ouvi isso pessoalmente. E eles dizem que muitos peritos concordam com isto. E o fato é que concordam mesmo. Mas há muitos outros que discordam. Champlin, por exemplo, em seu comentário, diz ser ridículo tentar fazer esse trecho de Provérbios ajustar-se a João 1.1, onde Jesus é descrito como o Logos (a Palavra).

 

Mas os Tjs afirmam se tratar essa sabedoria de uma pessoa e que esta pessoa é Jesus, e, sendo assim, o texto está dizendo que Jesus foi criado. O que eles não dizem é que muitos dos peritos que concordam tratar-se aqui de Jesus, discordam da tradução do termo qanah, que aparece aqui, por criar. Aliás, em pesquisa que fiz encontrei no Antigo Testamento, além desta, outras 75 ocorrências deste termo e apenas em 7 delas há a possibilidade de qanah ser traduzido por criar, mas também com a possibilidade de ser traduzida de outra forma, conforme o é na versão ARC (Almeida Revista e Corrigida). São elas:

 

"E abençoou-o e disse: Bendito seja Abrão do Deus Altíssimo, o Possuidor (qanah) dos céus e da terra;" (Gênesis 14:19 RC)

 

"Abrão, porém, disse ao rei de Sodoma: Levantei minha mão ao SENHOR, o Deus Altíssimo, o Possuidor (qanah) dos céus e da terra," (Gênesis 14:22 RC)

 

"Espanto e pavor cairá sobre eles; pela grandeza do teu braço emudecerão como pedra; até que o teu povo haja passado, ó SENHOR, até que passe este povo que adquiriste (qanah)." (Êxodo 15:16 RC)

 

"Recompensais, assim, ao SENHOR, povo louco e ignorante? Não é ele teu Pai, que te adquiriu (qanah), te fez e te estabeleceu?" (Deuteronômio 32:6 RC)

 

"Lembra-te da tua congregação, que compraste (qanah) desde a antiguidade; da tua herança que remiste, deste monte Sião, em que habitaste." (Salmos 74:2 RC)

 

"E conduziu-os até ao limite do seu santuário, até este monte que a sua destra adquiriu (qanah)," (Salmos 78:54 RC)

 

"Pois possuíste (qanah) o meu interior; entreteceste-me no ventre de minha mãe." (Salmos 139:13 RC)

 

Nas outras 68 ocorrências não há como traduzir por criar.

 

Então pode ser "me criou", mas pode ser também "me possuiu", pode se tratar de uma pessoa, no caso Jesus, mas também pode não ser, tratando-se então de uma personificação poética da sabedoria sem indicar necessariamente uma pessoa (o que é mais provável pelo contexto – questione, por exemplo, os versos 4 do capítulo 7 e no capítulo 8 o verso 12, além de muitos outros que poderíamos questionar em todo o contexto – "A Sabedoria (Jesus) é minha irmã? E a prudência é minha parenta? Mas quem é essa prudência com quem a Sabedoria (Jesus) habita?"

 

A conclusão a que posso chegar é que se um TJ quiser me convencer de que Jesus não é O Deus, pelo contrário, é criatura de Deus, usando este texto, ele não vai conseguir.

 

Vamos ao terceiro texto:

 

c.    Colossenses 1.15: "o qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação"

 

A ênfase dos TJs nesse texto é dada à frase "o Primogênito de toda a criação". E por "primogênito de toda a criação" eles entendem "o primeiro a ser criado". Entretanto o termo primogênito na Bíblia nem sempre indica o primeiro no tempo (o primeiro criado, o primeiro nascido...). Primogênito pode ser, e é o caso aqui, um título de relação, de posição, de proeminência, e não necessariamente de origem. E também Primogênito pode ser entendido simplesmente como "o filho mais velho" e, sendo assim, no caso humano, o primeiro nascido, mas no caso de Deus, o Seu "Filho eterno".

 

É interessante observar neste texto que Paulo faz uso de uma palavra (prototokos = primogênito) que tinha mais a ver com posição do que começo no tempo quando ele podia usar outra (protoktistos) que era usada comumente com o significado de "primeiro" no sentido começo no tempo. Se Paulo quisesse dizer aquilo que os Arianos no passado disseram que ele disse, que é o mesmo que os Tjs no presente dizem que Paulo disse, ele teria usado o termo protoktistos. Mas ele não o fez porque o que ele estava falando da posição de proeminência de Jesus, e não de sua origem no tempo, e isso está de acordo com o que ele diz logo a seguir, nos versículos 16-20:

 

"porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele. E ele é a cabeça do corpo da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência, porque foi do agrado do Pai que toda a plenitude nele habitasse e que, havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra como as que estão nos céus."

 

Champlin, comentando Colossenses 1.15, explica corretamente que a palavra "primogênito" fala da relação de Jesus com a criação, para com os homens e para com todos os seres inteligentes. Depois Champlin faz as seguintes considerações:

 

à Em primeiro lugar, deve-se dizer que não há aqui qualquer indício que Cristo foi o primeiro ser que Deus criou, o qual então se tornou uma espécie de divindade secundária, que também tinha o poder de criar, conforme alguns têm pensado mui erroneamente. Os antigos pais da igreja acertaram quando insistiram sobre a diferença entre os termos gregos "Prototokos" (primogênito) e "Protoktistos" (primeiro criado)

à Em segundo, de acordo com a linguagem divina do N.T., termos como primeiro gerado e unigênito não implicam em começo dentro do tempo, e nem envolvem, necessariamente, o elemento de tempo, conforme sucede na linguagem comum. Isso pode ser comparado com a freqüente referência de Homero aos deuses, aos quais chamava de "sempre-gerados". Para Deus, Cristo é o "unigênito", e isso por toda a eternidade; esse termo alude simplesmente ao caráter ímpar de Cristo e à sua "filiação eterna", como natureza desse caráter ímpar. Portanto, está em pauta uma "relação toda especial". A relação "Pai-Filho" é eterna. O próprio termo "filho" dá a entender, para nós, que alguém veio à existência, depois que seu pai já existia por algum tempo. Mas não é assim que o vocábulo é aplicado a Cristo. Pelo que a palavra "primogênito" não envolve o elemento tempo, no sentido que não houve tempo em que Cristo começou a existir.

à Há um sentido, naturalmente, em que está em foco a idéia de "prioridade no tempo". Isso se dá quando se considera a criação espiritual, dentro da "família divina", onde há somente um Filho de Deus, e onde todos os outros são apenas "filhos" de Deus. Todos os remidos participarão da filiação, segundo os moldes do primogênito. A filião de Cristo antecede à nossa e a nossa é moldada segundo a dele; mas isso não dá a entender que sua filiação teve começo; e, menos ainda, que ele, como ser, tivesse tido começo...

à A prioridade de Cristo o se dá apenas quanto ao tempo, mas também no que respeita à sua proeminência. Notemos que é em relação a toda a criação, e o somente em relão aos homens, que ele é o primogênito. Por igual modo, Deus é o Pai de todas as famílias, e não meramente da espécie humana, conforme nos é dito em Efé. 3: 15. A Cristo é dado aquele domínio inteiro sobre a família de Deus que essa preeminência caracterizava um filho mais velho (o primogênito) em uma família judaica. O direito de primogenitura era grandemente apreciado. O filho primogênito herdava o dobro dos demais filhos; e também era quem substituía a seu pai no governo sobre a família... Israel era chamado primogênito de Deus (ver Êx. 4:22 e Jer. 31:9), indicando sua posição diante do favor e das bênçãos divinas. Notemos o trecho de Sal. 89:27, que diz: "Fá-Io-ei, por isso, meu primogênito, o mais elevado entre os reis da terra". E nisso se faz inerente sua suprema autoridade, distinção e preeminência. Portanto, o título é aplicado a Cristo, salientando sua autoridade tão elevada como a de qualquer outro ser. Portanto, ele é assim o primonito no que concerne a Deus, pois é supremo em seu favor; e também no que concerne a nós e a todos os seres, porque ele brande a autoridade suprema entre os filhos de Deus. Contudo, através dele, devido à nossa conexão com a sua pessoa, recebemos a mesma glória; e ele é o primeiro entre muitos irmãos. O trecho de Rom. 8:29 pinta-o como o "primogênito entre muitos irmãos". E os próprios crentes, em Heb. 12:23, são chamados "primogênitos", porquanto recebem privilégios acima de outros homens.

 

Faucett, citado por Champlin, diz que a palavra primogênito, aplicada a Cristo, além de demonstrar sua eterna prioridade, demonstra t ambém a sua condescendência à "fraternidade" conosco.

 

Resumindo tudo, primogênito, aplicado a Cristo, é uma indicação de proeminência e não "lugar no tempo", não de que ele tenha sido a primeiro a ser criado. Com isso concorda o contexto bíblico geral acerca do Cristo, que demonstra ser ele O Deus eterno.

 

Vejamos agora três textos que citam uma passagem bíblica profética acerca do Cristo encontrada no Salmo 2:

 

d.    Atos 13.33: "como também está escrito no Salmo segundo: Meu filho és tu; hoje te gerei." / Hebreus 1.5 e 5.5: "Porque a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei por Pai, e ele me será por Filho?"... Assim, também Cristo não se glorificou a si mesmo, para se fazer sumo sacerdote, mas glorificou aquele que lhe disse: Tu és meu Filho, hoje te gerei"

 

A ênfase recai sobre a frase "hoje te gerei". Para os TJs essa frase significa que Jesus "nasceu" (foi criado) em algum ponto do tempo. Entretanto, interpretando a partir do contexto geral do Novo Testamento acerca de Jesus, essa conclusão não pode ser correta. Abaixo apresento aos irmãos alguns sentidos mais corretos, considerados por R. N. Champlin ao comentar Atos 13.33:

 

à A sua significação mais profunda é a idéia bíblica da "geração eterna" do Filho de Deus, o que fala de sua Filiação eterna, por ser membro da divina Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo. Nesse caso, o termo não se refere a qualquer coisa associada à sua geração, e certamente não tenciona ensinar qualquer início de seu ser, como se o Filho houvesse sido criado, em algum tempo, por Deus Pai. Pelo contrário, é salientada alguma forma de relação eterna, a qual é ilustrada através da idéia de uma forma de vínculo especial entre Deus Pai e Deus Filho. Deus Filho é eternamente gerado por Deus Pai, isto é, conserva continuamente essa forma de relação com o Pai, embora essa relação não tivesse começado em qualquer ponto do tempo, porquanto sempre existiu. A isso é que se convencionou denominar de geração eterna, em contraste com alguma forma de geração que tivesse tido começo em algum ponto do tempo.

à A geração de Cristo, neste caso particular, pode referir-se à sua encarnação, incluindo a idéia de seu nascimento virginal, como parte integrante dessa encarnação, bem como o seu começo. Nessa forma de geração o homem Jesus teve começo de existência, e podemos declarar que ele foi gerado por Deus, por ter sido obra do Espírito de Deus, e não por meio de qualquer agência humana.

à Alguns intérpretes, ao fazerem alusão à "geração", pensam tratar-se do início do ministério terreno de Cristo, como se Jesus tivesse sido gerado e levantado por Deus, através do seu Santo Espírito, de maneira especial, em seu ministério. Essa interpretação seria uma simples expansão do que está implícito na interpretação anterior. Em qualquer interpretação que seja aceita como a mais "exata" no tocante a este versículo, a "geração" e o "levantamento" devem ser considerados como verdades paralelas, que expressam o mesmo ato de Deus, porquanto foi assim que Paulo citou o salmo segundo.

à A interpretação mais natural sobre essa questão, que é seguida pela maioria dos intérpretes, é que a referência é à ressurreição do Senhor Jesus. A geração de Jesus, como Filho de Deus, veio através e em virtude de sua ressurreição. Isso não significa, entretanto, que somente ao ressuscitar é que Jesus se tornou Filho de Deus, e, sim, que naquele momento foi declarado como tal, o que é exatamente o que Paulo nos diz no trecho de Rom. 1:4. Ali lemos que Jesus foi "poderosamente demonstrado Filho de Deus mediante a sua ressurreição. Em outras palavras, a divina Filiação de Jesus foi comprovada, acima de qualquer dúvida, porque Deus jamais haveria de levantar dentre os mortos um personagem de menor envergadura, de forma tão gloriosa...

 

Seguindo-se a idéia da "geração eterna", que também é correta, podemos dizer que "hoje", no texto, trata-se do "dia eterno", sem qualquer intuito de identificar algum começo ou algum ponto no tempo em que Cristo tenha sido gerado. A geração é eterna porque a filiação é eterna e, sendo assim, é mais que correto dizer que o hoje, nesse caso, é o "dia eterno".

 

Isso combina com o contexto neotestamentário em geral.

 

Concluindo

 

1.    A Bíblia mostra claramente que Jesus é Deus, o Deus Jeová do Antigo Testamento.

2.    A Bíblia revela acerca de Jesus que ele é o princípio da criação de Deus, não significando isso que ele é o primeiro ser criado e sim o criador, o principiador, a causa ativa da criação.

3.    A Bíblia revela ser Jesus o primogênito de toda a criação, significando isso que ele tem proeminência, ocupa o posição de primogênito, e não que ele é o "primeiro nascido" (ou, no caso, criado).

4.    E a Bíblia revela que Jesus é filho gerado de Deus, mas essa geração é "geração" eterna, e não geração como que tendo um início no tempo. E o "hoje" da geração é o "Dia eterno".

5.    Jesus é Deus!

 

Pr. Walmir Vigo Gonçalves – Foz do Iguaçu

Parque Imperatriz – Outubro de 2010

 

Fontes de consulta:

 

1)    Artigo sobre a divindade de Jesus escrito por Márcio Klauber Maia, diácono e superintendente da Escola Bíblica Dominical da igreja Assembléia de Deus em Candelária.

2)    Strongs em A Bíblia Online 3.0

3)    O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo – R. N. Champlin

4)    Merecem Crédito as Testemunhas de Jeová? – Aldo dos Santos Menezes

5)    JESUS É JEOVÁ – Artigo escrito por R. K. McGregor Wright, Ph.D. e traduzido por Emerson Honório de Oliveira

6)    Bíblia de estudo Scofield

7)    Estudos sobre a Palavra de Deus – J. N. Darby

8)    Outros textos e artigos da Internet

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário