quarta-feira, 22 de julho de 2015

NASCIDOS DE DEUS

NASCIDOS DE DEUS

 

“Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé.” (1 João 5:4 RC)

 

1.   Nascidos de Deus! Foi sobre esse tema que Jesus conversou com Nicodemos.

 

2.   Ser nascido de Deus (nascimento espiritual) é o melhor nascimento que existe. Se não me engano foi Russel Shedd quem muito bem se expressou dizendo que uma pessoa que nasceu (nascimento físico), em berço de ouro todo decorado com diamantes e outras pedras preciosas mais, mas não nasceu de Deus (nascimento espiritual), não é bem-aventurado conforme o é um operário que sustenta a família com um salário mínimo ou menos (a parábola do rico e Lázaro, contada por Jesus, ilustra muito bem essa verdade). A razão de essa afirmação ser verdadeira é que o nascido de Deus é vitorioso de verdade, enquanto o que não é nascido de Deus pode sê-lo apenas aparentemente, temporalmente, mas não definitivamente.

 

3.   Calvino, comentando I João 5:4, disse:

 

“Esta passagem é notável; pois embora satanás continuamente lance seus temíveis e terríveis assédios, contudo, o Espírito de Deus, declarando que estamos além do alcance do perigo, remove o perigo, e anima-nos a combater com coragem”

 

(Citado por Champlim em O N. T. Interp. Vers. por Vers.)

 

4.   Alford, também citado por Champlim, comenta:

 

“O argumento, pois, consiste do seguinte: os mandamentos de Deus não são pesados, pois embora na sua observância sempre haja um conflito, contudo esse conflito resulta em uma vitória universal – a massa inteira dos nascidos de Deus conquista o mundo. Portanto, nenhum de nós precisa pensar em fracasso, ou desmaiar sob a sua própria dura luta”.

 

5.   Outro comentarista, Hoon, também citado por Champlim, diz que a vitória envolve os seguintes pensamentos:

 

“...a alegria sobre a infelicidade...; a comunhão sobre a solidão...; a honestidade sobre o orgulho moral e a auto-ilusão...; a retidão e a santidade sobre o pecado...; a pureza sobre as concupiscências mundanas...; a verdade sobre o erro...; a confiança sobre o temor, a dúvida e o desencorajamento...; A VIDA ETERNA SOBRE O TEMPO E A MORTE...”

 

6.   Ser nascido de Deus é, portanto, algo indizivelmente maravilhoso. Mas quem é o nascido de Deus? Quais são as suas características distintivas? Vejamos algumas apenas, que podem ser expressas em uma única frase:

 

A pessoa que nasceu de Deus não vive na prática do pecado, está em pleno processo de santificação e adquirindo as qualidades morais de Deus porquanto, em Jesus, passou a possuir a retidão divina.

 

7.   Em forma de esboço essa frase poderia ser construída assim:

 

A pessoa que nasceu de Deus:

 

1) não vive na prática do pecado,

2) está em pleno processo de santificação

3) e adquirindo as qualidades morais de Deus porquanto, em Jesus, passou a possuir a retidão divina.

 

8.   Quanto a não viver na prática do pecado, assim lemos em 1 João 3.6:

 

“Todo aquele que permanece nele não vive pecando; todo aquele que vive pecando não o viu, nem o conheceu” (RA)

 

a.   Coloquei esse texto aqui na versão Revista e Atualizada. O original grego diz simplesmente “não peca”, e na versão Revista e Corrigida a tradução vem assim, mas a frase está construída em um tempo verbal que indica a continuidade da ação, ficando subentendido que o crente verdadeiro foi livre do hábito do pecado. Todo mundo peca, e o crente também; e João sabia disso, tanto que nessa mesma carta, em 1:8, ele escreveu: Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós” (RC). Mas o nascido de Deus não vive na prática do pecado porque permanece “nele” (Cristo), e, como diz o versículo anterior, “ele se manifestou para tirar o nosso pecado, e nele não há pecado”.

 

b.   O Nascido de Deus “permanece”, isto é, vive uma vida de companheirismo, não só com o Filho, mas também com o Pai, pela mediação do Espírito que nele habita, e isso exige uma vida de santidade, porque o nosso Deus é Santo.

 

c.   Ainda segundo o nosso texto, aquele que vive na prática do pecado não é nascido de Deus, “não o viu e nem o conheceu”. Notem essa frase “não o viu e nem o conheceu”. Trata-se de uma visão espiritual, uma visão com a alma, uma visão purificadora que leva ao conhecimento de quem é Cristo e o que ele tem feito por nós e espera de nós. Todos os servos verdadeiros de Cristo têm essa visão, e, como servos, permitirão que ele os transforme segundo o seu querer. Calvino comentou:

 

“Cristo nunca fica dormente onde reina, mas o Espírito torna eficaz o seu poder. E pode-se dizer corretamente a respeito dele que ele põe o pecado em fuga, em nada diferente, pois, da forma como o sol expulsa as trevas com o seu resplendor. E novamente somos ensinados, neste lugar, quão forte e eficaz é o conhecimento de Cristo, porquanto nos transforma em sua imagem”.

 

(Citado por Champlim em O N. T. Interp. Vers. por Vers.)

        

9.   Quanto a estar em pleno processo de santificação e adquirindo as qualidades morais de Deus, veja os seguintes textos que dão-nos conta disso:

a.   Sobre a santificação:

 

“... libertados do pecado e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna.” (Romanos 6:22 RC)

 

“... esta é a vontade de Deus, a vossa santificação...” (1 Ts 4:3 RC)

 

“... não nos chamou Deus para a imundícia, mas para a santificação.” (1 Ts 4:7 RC)

 

 “Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hebreus 12:14 RC)

 

b.   Sobre estar adquirindo as qualidades morais de Deus:

 

“Mas o fruto do Espírito é: caridade, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra essas coisas não há lei.” (Gálatas 5:22-23 RC)

 

10.       Você já é um nascido de Deus? Você consegue perceber essas características distintivas em sua vida?

 

 

Pr. Walmir Vigo Gonçalves

Muqui – Julho de 2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário