segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Estudos no Sermão do Monte / parte 34 - Entrai pela porta estreita

 

ENTRAI PELA PORTA ESTREITA

 

Estudo 34 da série "Estudos no Sermão do Monte

 

 

“Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela;  E porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem.” (Mateus 7:13-14 RC)

 

1.    Chegamos ao ponto em que Jesus caminha para a conclusão de seu sermão.

2.    O objetivo de Jesus neste sermão, conforme temos podido ver nos estudos que já fizemos, foi, primeiro, levar aqueles que são seus a perceber qual é a sua natureza, e, segundo, mostrar-lhes como devem manifestar essa natureza em seu viver diário.

3.    Jesus veio viver neste mundo, como homem, para, do meio do mundo formar para si um povo especial, um povo para fazer parte não mais do "reino do mundo", ainda que estando nele, mas do "reino de Deus", do "reino da luz", do "reino dos céus". E, neste "sermão do monte" Jesus está dizendo: "Neste reino é assim que se comporta". Quem dele fizer parte:

a.    Será humilde de espírito;

b.    Será alguém que lamenta pelo pecado seu pessoal e pelo pecado em geral;

c.    Será dotado de espírito de mansidão;

d.    Será alguém com fome e sede de justiça;

e.    Será misericordioso;

f.     Será limpo de coração;

g.    Será pacificador;

h.    Deverá ser sal da terra e luz do mundo;

i.      Deverá ser portador de uma justiça superior à dos escribas e fariseus;

j.      Deverá fazer as coisa próprias do reino não para sua glória ou promoção pessoal, mas para a glória de Deus;

k.    Deverá ser alguém ocupado em acumular tesouros no céu e não na terra;

l.      Deverá ter o reino de Deus como prioridade;

m.   Deverá evitar julgar erradamente o próximo;

n.    E por aí vai...

4.    É como se Jesus houvesse declarado: "Esse é o caráter do reino que estou formando, e esta é a vida que eu quero que vocês vivam".

5.    Agora Jesus está chegando ao fim desse sermão e vai fazer algumas aplicações, sendo a primeira essa que temos diante de nós: "Entrai pela porta estreita...", ou: "Eu sei que essa porta que estou acabando de lhes apresentar é estreita, mas entrem por ela, porque é ela que conduz ao reino celestial, à vida eterna".

6.    Então pensemos apenas neste fato hoje: A vida cristã é representada e deve ser apresentada como sendo "estreita / apertada" desde o seu início até o seu fim.

7.    É muito importante destacar esse fato porque ele é imprescindível no momento em que formos evangelizar alguém. Desde o princípio a pessoa que está sendo evangelizada deve ser conscientizada dessa estreiteza; ninguém deve ser "enganado para entrar". Não devemos usar de artifícios fraudulentos. Não foi assim que Jesus agiu?

a.    Um escriba disse querer seguir a Jesus, e o que foi que Jesus lhe disse? – Veja Mateus 8.19-20...

8.    "O evangelho de Jesus Cristo anuncia abertamente, sem qualquer transigência e abrandamento, que a vida cristã é algo que começa por uma porta estreita e apertada e continua por um caminho apertado. Desde o próprio começo é absolutamente essencial que tomemos consciência disso" (Lloyd-Jones).

9.    Mas, por que? O que faz da vida cristã uma vida "apertada"?. Cito apenas três razões:

a.    A primeira razão é que tal vida, de verdade, só é possível através de uma, apenas uma pessoa: Jesus Cristo.

                                  i.    Ele é a porta das ovelhas... (João 10.7ss.)

                                ii.    Ele é o caminho... (João 14.6)

                               iii.    Ele, e só ele, tem as palavras de vida eterna... (João 6.68)

                               iv.    Ele é o único nome... (Atos 4.12)

                                v.    Ele, e somente ele! Não há portaS, não há caminhoS, não há nomeS; há porta, caminho e nome... no singular...

b.    A segunda razão pela qual a vida cristã é "estreita" é o fato de que para se vivê-la há coisas que deverão ser renunciadas, "deixadas do lado de fora", porque não podem passar junto conosco por essa porta estreita.

                                  i.        Devemos renunciar o mundanismo – A maneira de viver do mundo. O Apóstolo Paulo, escrevendo aos Romanos, dedica o capítulo 6 a informar-lhes que a graça não nos permite permanecer no pecado. No verso 19 ele lhes diz que no passado eles se apresentavam ao pecado para viver no pecado, mas agora deveriam se apresentar para servirem à justiça para santificação. E nos versos 21 a 23 ele pergunta que fruto colheram daquela vida que tinham antes e depois diz que uma vez libertos devem viver uma vida santificada. João escreveu: “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.  Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo.” (1 João 2:15-16 RC)

                                ii.        Sendo assim, muitas vezes até mesmo a companhia das pessoas com quem antes tínhamos certa comunhão precisam ser renunciadas; se não em todas, pelo menos em muitas ocasiões precisam ser renunciadas. (exemplo de quando fomos a uma excursão no Rio Grande do Sul...). Nunca falaram isso pra você? Não dá para participar com os seus amigos não convertidos de tudo o que eles fazem...

                               iii.        Devemos renunciar o "eu". O "eu" não passa na porta estreita – "Não mais eu, mas Cristo vive em mim", deve ser o nosso lema. E se assim o é/for:

1.    Seremos mansos...

2.    Amaremos... até aos inimigos...

3.    Pediremos perdão e perdoaremos, mesmo que para isso precisemos enterrar o nosso orgulho pessoal a setenta vezes sete palmos abaixo da terra...

4.    Não nos deixaremos vencer pelo mal, mas venceremos o mal com o bem...

5.    Seremos gentis e não ríspidos e mal educados no trato para com os nossos semelhantes...

6.    Trabalharemos muito na causa sem nenhum interesse de receber qualquer glória...

7.    E por aí vai...

c.    E a terceira razão para a vida cristã ser "estreita" é o fato de ela envolver lutas e sofrimentos...

                                  i.        A Bíblia fala de lutas e sofrimentos – aflições;

                                ii.        A experiência já demonstrou que há aflições, lutas e sofrimentos.

                               iii.        As próprias renúncias, muitas delas, implicam em aflições.

                               iv.        Estamos envolvidos em uma luta contra as hostes espirituais da maldade nos lugares celestiais.

10. Tudo isso desde o princípio até ao fim, neste mundo, da vida cristã, e desde o princípio as pessoas que vamos evangelizar devem estar conscientes disso.

11. Agora, talvez você esteja aí se perguntando: Se é assim, porque Jesus disse, e está registrado um pouco mais à frente, no capítulo 11, que seu jugo é suave e seu fardo é leve? Apenas três coisas quero dizer:

a.    Todas as lutas da vida cristã não as lutamos sozinhos – Jesus luta conosco e por nós.

b.    Paulo, depois de considerar suas lutas e sofrimentos, disse que "as aflições do tempo presente não podem se comparar com a glória que em nós há de ser revelada". Em outras palavras: tudo isso é muito leve diante da glória que aguarda aqueles que entram por esse caminho.

c.    O fim de ambos os caminhos é que revelará qual, na verdade, é mais "leve" e qual é mais "pesado".

12. Então, "entrem pela porta estreita" e "sigam pelo caminho estreito"...

 

Pr. Walmir Vigo Gonçalves

Muqui – Setembro de 2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário