terça-feira, 9 de novembro de 2010

O FRUTO DO ESPÍRITO - parte 7 de 10

O FRUTO DO ESPÍRITO

 

Gálatas 5.22-23

 

 

Parte 7 de 10

 

 

 

IV. A LONGANIMIDADE

 

1.    Longanimidade é "ânimo longo", paciência, firmeza de espírito.

           

"Longanimidade é a manifestação de paciência no momento quando muitos iriam explodir de raiva. É a atitude de agüentar pacientemente os maus tratos, sem querer vingança ou retribuição. Aqueles que vivem irritados, com sentimentos de vingança, mal-humorados, não estão sob o controle do Espírito Santo".

 

2.    Precisamos ser longânimos diante das situações que se nos apresentam e, principalmente, precisamos ser longânimos para com as pessoas.

3.    Jesus é o nosso exemplo:

a.    Jesus era paciente com os seus discípulos quando estes se demoravam a entender o que ele dizia, e estava sempre pronto a explicar-lhes o que fosse necessário. Veja Mateus 15.10-20:

 

"E, chamando a si a multidão, disse-lhes: Ouvi e entendei: o que contamina o homem não é o que entra na boca, mas o que sai da boca, isso é o que contamina o homem. Então, acercando-se dele os seus discípulos, disseram-lhe: Sabes que os fariseus, ouvindo essas palavras, se escandalizaram? Ele, porém, respondendo, disse: Toda planta que meu Pai celestial não plantou será arrancada. Deixai-os; são condutores cegos; ora, se um cego guiar outro cego, ambos cairão na cova. E Pedro, tomando a palavra, disse-lhe: Explica-nos essa parábola. Jesus, porém, disse: Até vós mesmos estais ainda sem entender? Ainda não compreendeis que tudo o que entra pela boca desce para o ventre e é lançado fora? Mas o que sai da boca procede do coração, e isso contamina o homem. Porque do coração procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias. São essas coisas que contaminam o homem; mas comer sem lavar as mãos, isso não contamina o homem." (RC)

 

b.    Jesus era paciente até para com os que o rejeitavam. Veja Lucas 9.51-56:

 

"E aconteceu que, completando-se os dias para a sua assunção, manifestou o firme propósito de ir a Jerusalém. E mandou mensageiros diante da sua face; e, indo eles, entraram numa aldeia de samaritanos, para lhe prepararem pousada. Mas não o receberam, porque o seu aspecto era como de quem ia a Jerusalém. E os discípulos Tiago e João, vendo isso, disseram: Senhor, queres que digamos que desça fogo do céu e os consuma, como Elias também fez? Voltando-se, porém, repreendeu-os e disse: Vós não sabeis de que espírito sois. Porque o Filho do Homem não veio para destruir as almas dos homens, mas para salvá-las. E foram para outra aldeia." (RC)

 

c.    Jesus foi paciente até com aqueles que o crucificaram e com os que se regozijaram com a crucificação. Os soldados escarneciam enquanto o crucificavam. Os magistrados também escarneciam. O povo observava e aprovava a crucificação – queriam que se soltasse um bandido e que se crucificasse a Jesus. Mas o que foi que Jesus fez? Ele orou: "Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem".

           

4.    Amados, quando nos falta a longanimidade nossas atitudes podem não ser as melhores, podem não ser as que Deus quer que nós tenhamos, e podem até ser desastrosas e geradoras de amargo arrependimento.

5.    Quero encerrar essa parte com pensamentos de alguns homens:

           

a.    Adam Clarke – A longanimidade consiste em

 

... suportarmos as fragilidades e provocações alheias, com base na consideração que Deus se tem mostrado extremamente paciente conosco; pois, se Deus não tivesse agido assim conosco, teríamos sido imediatamente consumidos; suportando igualmente todas as tribulações e dificuldades da vida, sem murmurações e rebeldias; submetendo-nos alegremente a cada dispensação da providência de Deus, e assim derivando benefícios de cada ocorrência".

           

b.    Matthew Henry:

 

"A longanimidade é paciência que nos permite subjugar a ira e o senso de contenda, tolerando as injúrias".

           

c.    Burton:

 

"Constância de alma, sob a provocação à alteração... tolerância, permanência ante o erro sofrido ou a conduta exasperadora, sem nos deixarmos arrastar pela ira e sem nos atirarmos à vindita... Portanto: a) paciência, persistência, constância... b) tolerância ante erros sofridos, sem ira ou vindita... tolerância para com os indivíduos cuja conduta visa provocar-nos à ira".

 

6.    O quinto gomo do Fruto do Espírito é:

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário